ACOMPANHE-NOS    
JULHO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Com estoque no limite, MS recebe 1º lote de kit intubação de Ministério

Analgésico, sedativo e bloqueador muscular, utilizados em pacientes com covid-19, precisaram ser emprestados

Por Tainá Jara | 26/03/2021 15:57
Hospitais de Campo Grande está operando com a capacidade máxima no auge da pandemia (Foto: Kisie Ainoã-Arquivo)
Hospitais de Campo Grande está operando com a capacidade máxima no auge da pandemia (Foto: Kisie Ainoã-Arquivo)

Mato Grosso do Sul recebeu, na manhã desta sexta-feira, o primeiro lote de kit intubação destinado pelo Ministério da Saúde para garantir o atendimento de pacientes em estado grave. Composto de analgésico, sedativo e bloqueador muscular, o conjunto é necessário para realizar a intubação dos pacientes com covid-19.

Os medicamentos já começavam a faltar em municípios do interior do Estado. Conforme a SES (Secretaria de Estado de Saúde), foi preciso realizar empréstimo para auxiliar as prefeituras que estavam com estoque quase zerado. Em Campo Grande, desde a semana passada, os hospitais alertam para as poucas doses disponíveis. Algumas unidades não tinham remédios suficientes nem par aos próximos cinco dias.

Ainda nesta sexta-feira, os hospitais devem receber os remédios. A secretaria também realizou compra própria de medicamentos do kit intubação e aguarda a entrega pelas empresas vencedoras da licitação.

Na última terça-feira, o secretário de Saúde Geraldo Resende disse à reportagem do Campo Grande News que o quadro era preocupante em todo o Estado. Segundo ele, uma compra feita em março pelo governo estadual sequer foi entregue, pois o governo federal requisitou os produtos.

Médicos ouvidos pelo Campo Grande News explicaram que o desabastecimento enfrentado é de um dos três medicamentos usados para intubar pacientes, ou seja, garantir a respiração por meio de ventilador mecânico, situação comum em doentes de covid-19, por causa do estrago feito no pulmão.

O MPMS (Ministério Público do Estado) também acompanha o estoque dos medicamentos.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário