ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

Depois de recorde na pandemia, casos de covid tiveram redução de 67% em MS

Período analisado pela reportagem foi das últimas duas semanas

Guilherme Correia | 07/03/2022 11:19
Moradores da Capital aguardam em fila de vacinação contra a covid-19, na Seleta. (Foto: Henrique Kawaminami)
Moradores da Capital aguardam em fila de vacinação contra a covid-19, na Seleta. (Foto: Henrique Kawaminami)

Depois de ter registrado recorde de infecções diárias, em toda a pandemia, Mato Grosso do Sul apresentou, nesta segunda-feira (7), média cerca de 67% inferior ao índice verificado em 21 de fevereiro, no quesito de casos confirmados a cada 24 horas.

Há duas semanas, no auge em todo o período pandêmico, havia 3,2 mil pacientes novos com a doença, a cada dia. O atual indicador é de 1.044 casos, conforme levantamento do Campo Grande News, feito a partir de dados da SES (Secretaria Estadual de Saúde).

O conceito utilizado é o da média móvel de sete em sete dias, que calcula o número de notificações oficializadas por dia.

Vale ressaltar que parte das equipes de vigilância epidemiológica dos municípios sul-mato-grossenses, além do próprio Estado, estiveram em período de recesso, nos últimos dias, por conta do Carnaval, podendo resultar em subnotificação.

Ainda assim, os casos já têm apresentado queda desde antes das festividades. Segundo o professor e pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Julio Croda, a variante Ômicron fez disparar os casos de coronavírus em todo o País, mas passados cerca de 60 dias, o contágio deve reduzir.

"Já está em redução, só olhar as curva. Já temos queda de casos, hospitalizações e iniciamos a queda de óbitos."

A média móvel de mortes, no mesmo período, passou de aproximadamente 17 vítimas a cada 24 horas, para 11.

Desde o início da pandemia, foram registrados 508,8 mil casos, dos quais 490,6 mil estão recuperados, mas 10.408 morreram. Os demais 162 estão internados e 7,6 mil em quarentena. Em boletim epidemiológico publicado hoje, foram cerca de mil casos e quatro mortes pela doença - o documento pode ser conferido, na íntegra, neste link.

Nos siga no Google Notícias