ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 27º

Cidades

Bruno questiona paternidade de filho com Eliza para se livrar de indenização

Defesa contesta também sofrimento do garoto

Jéssica Benitez | 21/11/2022 15:39
Ex-goleiro responde em liberdade (Foto Divulgação)
Ex-goleiro responde em liberdade (Foto Divulgação)

Condenado a pagar R$ 650 mil ao filho que teve com Eliza Samúdio, o ex-goleiro Bruno Fernandes entrou com recurso para suspender a decisão argumentando que ainda não sabe se realmente é o pai biológico do menino, hoje com 12 anos.

O exame de DNA já foi feito e o resultado, ainda desconhecido, será anexado em ação paralela a esta, que corre também na Justiça sul-mato-grossense. A esperança do ex-jogador é que, na hipótese de não ser o genitor, se livre de arcar com despesas como pensão alimentícia, ficando somente com as indenizações referentes ao assassinato da mãe da criança.

Ele conta que em 2014, quando o processo indenizatório foi ingressado, não permitiu que seu material genético fosse colhido por medo de ser usado para incriminá-lo. Mas como acabou condenado e agora cumpre pena em liberdade, decidiu fazê-lo.

Além disso, justificou não haver provas de que tentou forçar Eliza a interromper a gravidez, sendo que foi condenado “apenas” por sequestrar, matar e esconder o corpo da vítima.

“Apesar de atribuir a prática de alguns atos ilícitos ao apelante (Bruno), não há provas de que ele tenha efetivamente perpetrados os 05 primeiros episódios que a sentença condenatória apenas abarcou os crimes de homicídio qualificado, cárcere privado e ocultação de cadáver”, alega a defesa composta por dois advogados de São Paulo.

Na ação que pede indenização moral e material ao menino Bruninho, representado pela avó materna, Sônia Marcelo Moura, há afirmação de que Bruno, ainda durante a gestação do garoto, tenha ameaçado, agredido e tentado forçar Eliza a abortar.

Além das indenizações, o juiz da 6ª Vara Cível de Campo Grande, Deni Luis Dalla Riva, fixou valor que somando corresponde à pensão alimentícia desde que o menino nasceu até seus 25 anos. Para derrubá-la a defesa argumenta que Bruno já o paga mensalmente, conforme ficou decidiu em ação que tramita no Rio de Janeiro.

Vale lembrar que ele teve mandado de prisão expedido justamente porque acumulou meses sem pagar o determinado pela Justiça carioca, inclusive arrecadou mais de R$ 25 mil na internet para quitar a dívida e sanar o pedido de prisão.

Saúde mental – Seguindo argumentação com objetivo de reverter a condenação, o recurso diz que a mãe de Eliza não conseguiu comprovar documentalmente que o neto tenha sofrido com a morte da mãe, pois não há “sequer um laudo psicológico de eventual acompanhamento que justificasse uma indenização no patamar arbitrado”.

Na sentença o juiz determinou valor de R$ 500 mil levando em consideração o abalo emocional de Bruninho diante da ausência materna, agravado pela forma como Eliza foi retirada da vida do filho.

O total, no entanto, é “excessivo e tem cunho egoístico”, segundo Bruno que se diz impossibilitado de pagar, mesmo que economizasse por toda sua vida. Tanto que, para ele, ficou evidente a falta de provas de que possa arcar com o montante estipulado, pois até hoje não conseguiu se recolocar no mercado de trabalho, fato que ele associa à repercussão nacional e internacional dada a sua condenação pela morte de Eliza.

Por fim, diz que Bruninho não tem idade suficiente para entender o que aconteceu, portanto o valor é alto demais para “compensar o sofrimento vivenciado”.

Caso – Na ação o pedido original era de R$ 4,4 milhões equivalente à pensão civil a ser paga até completar a idade de 25 anos e, ainda, os danos morais no montante de R$ 2 milhões em decorrência de todo o sofrimento a que foi submetido com a prematura perda de sua mãe.

Para tanto, os advogados do garoto argumentaram que assim como Eliza, ele também foi sequestrado e antes do fatídico desfecho, durante a gestação da mãe, Bruno chegou a fazer pelo menos cinco manobras abortivas para impedir o nascimento do filho.

A decisão saiu no último dia 27, depois de oito anos de tramitação, ficando determinado pagamento de R$ 650 mil somando R$ 150 mil por dano material e R$ 500 mil por dano moral.

Bruno foi condenado a 22 anos e quatro meses de prisão em 2013 pelo sequestro, assassinato e ocultação do corpo de Eliza. Até hoje não se sabe o que foi feito com a jovem depois de morta. O crime ocorreu em 2010 quando ela tinha 25 anos e Bruninho quatro meses. À época o condenado era goleiro do Flamengo.

Nos siga no Google Notícias