ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Laudo indica que Adélio Bispo ainda tem sinais de transtorno delirante

Custodiado está no Presídio Federal de Campo Grande desde 2018 e passou por nova perícia no mês passado

Ana Paula Chuva | 25/08/2022 12:52
Adélio Bispo de Oliveira, durante audiência de custódia em 2018 (Foto: Reprodução)
Adélio Bispo de Oliveira, durante audiência de custódia em 2018 (Foto: Reprodução)

Adélio Bispo continua com sinais de transtorno delirante paranóide, é o que aponta o laudo dos psiquiatras designados pela Justiça Federal para avaliar a condição da saúde mental do homem que esfaqueou Jair Bolsonaro (PL) durante campanha eleitoral em 2018.

No parecer os médicos indicaram que “não houve cessação de periculosidade” e o documento dará subsídio para o juiz do caso decidir se Adélio continuará preso ou será colocado em liberdade. As informações são do site CNN.

Caso o magistrado siga com o parecer técnico, composto de dez perguntas sobre Adélio, a previsão é que ele continue preso e em tratamento na penitenciária Federal da Capital, onde está desde setembro de 2018.

O diagnóstico é o mesmo que a justiça usou para absolve-lo da facada, já que determina que Adélio é inimputável e, por isso, foi imposta uma medida com caráter de internação para tratamento.

Segundo a legislação penal, depois do cumprimento mínimo de internação, que nesse caso é de três anos, a pessoa deve passar por nova perícia para embasar as decisões sobre a manutenção ou não da medida. O novo laudo tem validade de um ano.

Com isso, caso a sentença seja para manter a medida de segurança, Adélio ficará por mais 12 meses sob os cuidados do Estado e depois passará por nova avaliação.

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul apresentou manifestação nos autos após a conclusão dos exames, mas o teor das considerações não foi divulgado. Já a Defensoria Pública da União, que faz a defesa de Adélio, disse que não pode divulgar informações sobre a saúde do custodiado.

Nos siga no Google Notícias