ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 32º

Capital

“É preciso regularizar para não proibir”, diz Marquinhos sobre Uber

Aline dos Santos e Mayara Bueno | 30/01/2017 10:33
Aplicativo de corrida funciona desde setembro em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)
Aplicativo de corrida funciona desde setembro em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)
Para prefeito, serviço, do jeito que está, é inseguro  (Foto: Marcos Ermínio)
Para prefeito, serviço, do jeito que está, é inseguro (Foto: Marcos Ermínio)

Com a polêmica sobre legalidade do Uber, aplicativo de “carona” paga, o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), afirma que a solução é regularizar, “sob pena de proibir”.

“O Uber tem apoio popular porque é mais barato, mas não sabemos quem estrá atrás do volante. Tem que regularizar de uma vez por todas, sob pena de proibir. Eles que busquem a Justiça. O que queremos é dar garantia, que essa pessoa que tenha carro apresente certidões de antecedentes criminais. Do jeito que está, é uma insegurança”, diz Marquinhos, durante entrevista ao programa Tribuna Livre, da FM 95.

O aplicativo chegou à Capital em 22 de setembro de 2016. Mesmo sem regulamentação, fez sucesso pelos valores menores e caiu no gosto do campo-grandense.

Contudo, no mês de dezembro, a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), ainda na gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP), passou a multar os condutores. A blitz provocou polêmica, motivou ações na Justiça contra o município e alerta da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), de que a multa era ilegal.

Nesses quatro meses do aplicativo em Campo Grande, o Procon (Superintendência de Defesa do Consumidor) não registrou reclamação. “A gente não tem recebido nenhum tipo de reclamação, está todo mundo feliz. De táxi, de um ponto a outro, pagava R$ 20, hoje, paga R$ 8”, diz a superintendente Rosimeire Cecília da Costa.

Segundo ela, as reclamações sobre o Uber podem ser feitas no órgão de defesa do consumidor por se tratar de prestação de serviço de transporte privado. Ainda de acordo com a superintendente do Procon, é ilegal retirar o cliente do interior de um veículo do Uber, mas salienta que o Poder Executivo pode regulamentar e recolher o ISS (Imposto sobre Serviços).

Conforme a assessoria de imprensa da prefeitura, a fiscalização em dezembro não foi exclusiva para o serviço. A informação é de que o veículo do Uber “caiu” numa fiscalização normal. A assessoria reafirmou que a atuação será regulamentada.

Ações – No mês de dezembro, ação popular pediu que a Justiça vetasse à repressão ao Uber. A justificativa era de ações abusivas, discriminatórias, que violam a livre concorrência e infringem a ordem econômica.

O pedido contra a prefeitura se sustentou em legislações como a Constituição Federal e a Política Nacional de Mobilidade Urbana, instituída pela lei federal 12.587/2012, que prevê o serviço de transporte individual privado. A Justiça extinguiu a ação.

Ainda no mês passado, um motorista Uber de Campo Grande conseguiu liminar para exercer a atividade sem que haja a interferência da fiscalização. Conforme posicionamento da OAB, todos são iguais perante a lei, tem o direito de ir e vir e de livre o exercício de qualquer trabalho, desde que lícito.

Conforme o Uber, "a Justiça já reiterou diversas vezes que a Uber é legal no Brasil. Os motoristas parceiros da Uber prestam o serviço de transporte individual privado, que tem respaldo na Constituição Federal e é previsto em lei federal”.

Nos siga no Google Notícias