A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

14/08/2017 11:34

“O transporte é público, o meu corpo não”, prega campanha contra abuso

Paulo Nonato de Souza e Mayara Bueno
Cartazes da campanha no interior dos ônibus e nos terminais tentam encorajar as mulheres a denunciarem casos de abuso sexual no transporte coletivo em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)Cartazes da campanha no interior dos ônibus e nos terminais tentam encorajar as mulheres a denunciarem casos de abuso sexual no transporte coletivo em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)

Com cartazes dentro dos terminais e também nos ônibus que trazem a advertência – “O transporte é público, o meu corpo não” -, começou nesta segunda-feira, 14, a campanha contra o abuso sexual no transporte coletivo em Campo Grande.

“É importante as mulheres saberem que existe uma lei aprovada desde 2015 que a protege de abuso sexual no transporte coletivo, e essa ação será fundamental para a conscientização e encorajá-las a denunciar esse tipo de situação”, disse a subsecretária municipal de Politicas Públicas para a Mulher, Carla Stephanini, durante o lançamento da campanha no Terminal Bandeirantes. Os cartazes também estampam os números dos telefones da Guarda Municipal (153) e da Polícia Militar (190).

Segundo Carla Stephanini, a prefeitura em parceria com o consórcio Guaicurus, responsável pelo transporte coletivo em Campo Grande, vai capacitar os motoristas para que saibam agir em casos de abuso às mulheres. “O motorista terá que parar o ônibus e acionar a Polícia Militar”, comentou ela.

A subsecretária municipal de Politicas Públicas para a Mulher, Carla Stephanini, disse no lançamento da campanha, que a mulher deve saber que existe uma lei que a protege (Foto: Marcos Ermínio)A subsecretária municipal de Politicas Públicas para a Mulher, Carla Stephanini, disse no lançamento da campanha, que a mulher deve saber que existe uma lei que a protege (Foto: Marcos Ermínio)

São 55 ocorrências caracterizadas como importunação ofensiva ao pudor registradas em Campo Grande no período de 01 de janeiro a 14 de agosto deste ano, entre casos nos terminais e nos pontos de ônibus, revelou a delegada adjunta da Delegacia da Mulher, Fernanda Felix Carvalho Mendes.

“Quando estiver sendo assediada e abusada a mulher deve gritar, chamar a atenção, reunir testemunhas. Alguns casos podem ser considerados estupros, se houver violência e ameaça”, ressaltou a delegada.

Já o Secretario Municipal de Segurança Pública, Valério Azambuja, também presente no lançamento da campanha nesta manhã, disse que a Guarda Municipal já faz um trabalho de acompanhamento de casos de violência em sistemas de plantão na Casa da Mulher Brasileira.

Segundo ele, são 27 guardas no total com duas viaturas que se revezam para atender ocorrências e execução de medidas determinadas pela Justiça. “Vamos trabalhar na conscientização dos nossos guardas para que saibam lidar com a situação de abuso sexual no transporte coletivo”, comentou ele.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions