A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

31/07/2013 20:55

A dor de quem perdeu parentes com os "erros" da Máfia do Câncer

Mariana Lopes
Iara durante o depoimento sobre a morte de seu pai (Foto: Cleber Gellio)Iara durante o depoimento sobre a morte de seu pai (Foto: Cleber Gellio)

Do primeiro ao último depoimento prestado na tarde de hoje, durante a 12ª oitiva da CPI da Saúde, o clima no plenarinho da Câmara Municipal de Campo Grande foi de comoção, com um misto de sofrimento e revolta dos familiares de vítimas que passaram pelos hospitais públicos da Capital e morreram em decorrência de negligência médica.

No total, oito pessoas foram convocadas a ir à sessão de hoje, mas compareceram somente cinco. As testemunhas relataram sobre o tratamento dos pacientes, o erro dos médicos e, ainda, o desvio de dinheiro. Praticamente todos se revoltaram, principalmente, com o descaso dos hospitais em relação aos enfermos.

Muitos dos depoimentos vieram acompanhados de vozes trêmulas e lágrimas que escorriam pelo rosto de cada familiar. A comoção abrangeu também vereadores e outras pessoas que acompanhavam a audiência. Por vezes, o silêncio imperava no plenarinho da Câmara, em respeito e solidariedade aos parentes das vítimas. De todas as oitivas, quiçá, a de hoje tenha sido a mais verdadeira.

Cirurgia - Um dos casos foi o da dona de casa Miriam Dias, de 36 anos. A mãe dela, Maria Domingues Lopes Dias, passou por uma cirurgia de transcateter femoral, em junho de 2012, no Hospital Universitário, e faleceu durante a operação.

Miriam conta que recebeu a notícia do falecimento da mãe pelo diretor do hospital da época, Luis Carlos Dorsa. “Ele explicou para a família que quando chegou com o cateter na altura do peito dela, o aparelho não passou e foi necessário abri-la, e então constataram que a região estava calcificada, mas afirmou que fizeram o procedimento normal e que a cirurgia tinha sido um sucesso, porém, quando foi fechar, o coração dela tremeu e ela morreu, e disse ainda que nem a equipe entendeu o que aconteceu”, relembra Miriam.

Miriam descobriu na imprensa que a mãe dela morreu por causa de um erro durante a cirurgia (Foto: Cleber Gellio)Miriam descobriu na imprensa que a mãe dela morreu por causa de um erro durante a cirurgia (Foto: Cleber Gellio)

Mesmo com tantos detalhes suspeitos, que na época passaram despercebidos e hoje fazem total sentido, a família não desconfiou dos médicos. Porém, uma escuta divulgada na mídia levou às filhas a pedirem investigação da morte da mãe.

“Vimos no jornal a conversa do Dorsa, na qual ele fala sobre um procedimento cirúrgico que deu errado. A história era muito parecida com a da minha mãe, fomos atrás e foi confirmado que realmente era”, conta Miriam.

A cirurgia de Maria, segundo Miriam, custou R$ 500 mil, custeada pelo SUS. “Na escuta, o Dorsa fala que ele não dominava a cirurgia, então por que fez? Acredito que tenha sido pelo dinheiro, ou seja, a vida da minha mãe custou isso, R$ 500 mil”, desabafa Miriam.

Muito soro – Outro caso que está sendo investigado e foi ouvido na audiência de hoje foi o do pai da chefe de cozinha Iara Camilo Dipp, 34 anos. Luiz Dipp de Ramos, 64 anos, tinha câncer no pâncreas e, segundo a filha, ele morreu por causa de excesso de água no corpo.

“No meio do tratamento, o médico interrompeu a quimioterapia, prescreveu soro, mas não fez acompanhamento, e devido à quantidade de soro comprimiu os órgãos, pois ele estava retendo líquido”, explica Iara.

O relato dela foi um dos mais comoventes da audiência de hoje. Iara chorou praticamente do começo ao fim do depoimento dela. “Meu pai sofreu muito por falta de cuidados, ele morreu nos meus braços”, contou a chefe de cozinha.

Gabino quer justiça pelo neto (Foto: Cleber Gellio)Gabino quer justiça pelo neto (Foto: Cleber Gellio)

Dipirona – O aposentado Gabino Lima, 59 anos, relatou o caso do genro dele, que morreu em tratamento a um câncer gástrico, no Hospital do Câncer. Ele contou que após análise do prontuário foi constatado que o medicamento que o genro dele estava recebendo era dipirona.

“No meio do tratamento conseguimos levá-lo para outra cidade, onde tiraram 8 litros de líquido do corpo dele. Os médicos questionaram o motivo de não terem feito isso aqui em Campo Grande”, conta Gabino.

O aposentado desabafou que o genro dele poderia ter recebido um tratamento mais humano. “Deixaram ele chorando de dor em uma cama e não fizeram nada”, lembra Gabino. Ele se emocionou ao falar do neto, de 4 anos. “Não quero que meu neto me pergunte se eu vi tudo isso acontecer com o pai dele e não fiz nada, por isso, me coloco à disposição das investigações”, ressalta o aposentado.

Ainda segundo Gabino, a avaliação da força-tarefa, que investiga a morte do paciente, o tratamento foi insuficiente. “Temos uma indústria da morte nos hospitais de Campo Grande”, pontuou o vereador Marcos Alex (PT), membro da CPI da Saúde.

CPI - Segundo o presidente da comissão, vereador Flávio César (PT do B), membros da CPI irão a Brasília na próxima semana para um encontro com o ministro da Saúde. Na ocasião, eles irão pedir acesso aos dados do Denasus (Departamento Nacional de Auditoria do SUS) e ao relatório da força-tarefa do Ministério da Saúde.

De acordo com o primeiro balanço do Ministério da Saúde, a força-tarefa faz pente-fino em 236 prontuários de pacientes com câncer em Mato Grosso do Sul. O vereador Marcos Alex (PT) pontuou ao final da sessão que o Hospital Universitário de Campo Grande recebeu, em dois anos, R$ 60 milhões em recursos. “É o hospital universitário do país que mais recebeu dinheiro”, ressaltou o petista.

Homem foge de briga, se envolve em acidente e acaba agredido por moradores
Flávio Guimarães Fernandes, 39 anos, foi confundido com ladrão e agredido por moradores após se envolver em acidente. O caso aconteceu na madrugada d...
Sesau e SES recolhem quase 10 toneladas de lixo no Jardim Noroeste
A ação de recolhimento de lixo realizada em casas e terrenos baldios no Jardim Noroeste - bairro localizado na regiões leste de Campo Grande - somou ...
Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...


TUDO ISSO DOI MUITO EM QUEM NÃO E NEM PARENTE, IMAGINA NA FAMILIA, EU PEÇO QUE A POPULAÇÃO ANALIZE BEM QUEM SÃO OS PROTETORES DESSES ASSACINOS, QUEM ELES PROCURARAM PARA SI VEREM LIVRE DA JUSTIÇA, MINHA GENTE VAMOS MUDAR TODOS OS POLITICOS , SO ASSIM A GENTE ACABA COM ESSAS MAFIAS QUE EXISTE NA SAUDE, NA EDUCAÇÃO, NA SEGURANÇA EM TUDO, MAS VAMOS ELEGER GENTE NOVA QUE NÃO TENHA VINCULO NENHUM COM QUEM ESTÁ AI, POR QUE ESSES AI VISAM APENAS O DINHEIRO NÃO ESTÃO PREOCUPADOS COM SAUDE DE NINGUÊM, PRINCIPALMENTE QUEM GASTA FURTUNAS PARA ENTRAR NO PODER PENSEM BEM PELO AMOR DE DEUS.
 
RITA ROCHA em 01/08/2013 13:12:37
Pelo amor de Deus estão esperando o quê? cadeia para essa corja, casse o CRM desses bandidos, pois não são médicos são assassinos. Importem médicos que queiram trabalhar, que queiram trabalhar no SUS, os médicos que não quiserem trabalhar no SUS, não trabalhem, mas deixem que a população seja atendida por quem quer trabalhar e não ganhar dinheiro a troco de vidas humanas.
 
Elza Florentino Echeverria em 01/08/2013 12:49:48
a unica coisa que me impede de fazer alguma coisa é a minha fé em DEUS ! eu tenho certeza que todos irão pagar com a mesma moeda que praticaram pois aqui se faz , aqui se paga
 
fernando abreu em 01/08/2013 11:05:37
Eles acha que são intocáveis,acha que nunca terão uma doença, e precisar das pessoas para ajuda-los a justiça de DEUS tarda mas não falha.
 
Susane matias em 01/08/2013 10:05:59
Meu Deus, estou aqui chorando ao ler esses relatos!!! Como que essa corja dormia no final da noite??? causando tanto sofrimento nas pessoas, JUSTIÇA!!!!!!!!! CHEGA DE PATIFARIA COM OS BRASILEIROS!!!!!!!!!!!
 
Andrea Chaves em 01/08/2013 08:49:56
QUE VERGONHA

QUE ROBALHEIRA

QUE IRRESPONSABILIDADE


Esperamos que essa CPI não encontre o mesmo caminhos da outras ou seja o caminho da PIZZARIA.


Em relação ao meu amigo Gabino Lima diga ao seu NETO que a política é podre o sistema é incompetente e infelizmentre temos VÁRIOS profissionais de péssima indole.

e que voce fez sim, tudo que pode para salvar o pai dele.


Grande Abraço à todos



NEI SALVIANO
 
nei salviano em 01/08/2013 08:39:40
Vidas que foram assassinadas em troca de camionetes, casas luxuosas, perfumes caros, roupas chiques, MORAR EM PARIS, viagens de passeio e por ai vai.
Ou seja, ainda que parentes estejam hoje indignados e tristes, quem fez o que fez não está nem ai e se não fossem descoberto estariam ainda matando pais, filhos, filhas ,tios , amigos e quem quer que fosse para poder ter uma vida luxuosa !!!!
Mas em MS quem mata tem sobrenome e é amigo desembargador, então tudo termina em churrasco .
 
Jose Alves Porto em 01/08/2013 08:36:23
PERDEU NÃO !!! FORAM ASSASSINADOS !!
 
carlos a a de campos em 01/08/2013 08:30:40
Punição, cadeia para Siufi, dorsa e toda corja de médicos assassinos!!!
 
rosana leal em 01/08/2013 08:16:47
A dor de perder um parente, um amigo pela máfia do câncer é muito grande e revoltante, mas ver esses gastos com CPIs que nunca dá em nada também é revoltante. Não se vê ninguém preso, e médico nenhum sendo cassado o diploma, pelo corporativismo da classe.
 
Douradems em 01/08/2013 07:28:30
ESTA MAFIA TERÁ QUE DEVOLVER O DINHEIRO JÁ QUE A VIDA NÃO TEM VOLTA
 
JANETE MARIA BARÃO em 31/07/2013 22:37:25
É REVOLTANTE, ESSA MAFIA DO CÂNCER AQUI EM CAMPO GRANDE.E O PIOR ESSA JUSTIÇA NÃO PRENDE ESSE CANaLHAS. AINDA BEM QUE NÃO TIVE NENHUM PARENTE VITIMA DESSES . EU NÃO AGUENTARIA, E FARIA JUSTIÇA COM MINHAS PRÓPRIAS MÃOS ,PEGARIA UM POR UM,
DESSES AI.
 
Roberto nunes em 31/07/2013 21:56:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions