ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEGUNDA  25    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Aquário fica pronto até 2018 nem que eu trabalhe na obra, diz secretário

Por Paulo Nonato de Souza | 01/02/2017 10:35
Iniciada em 2011, ainda na gestão do ex-governador André Puccinelli, obra do Aquário do Pantanal já custou R$ 230 milhões aos cofres públicos (Foto: Marcos Ermínio)
Iniciada em 2011, ainda na gestão do ex-governador André Puccinelli, obra do Aquário do Pantanal já custou R$ 230 milhões aos cofres públicos (Foto: Marcos Ermínio)

O secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, disse nesta quarta-feira, 01, que até 2018 o Governo de Mato Grosso do Sul vai entregar o Aquário do Pantanal, em construção desde 2011 no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, nem que ele e até o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) tenham que trabalhar na obra.

“Eu posso dizer que nós vamos terminar o Aquário do Pantanal até 2018, de que forma ainda não sabemos, mas vamos terminar essa obra. Nem que tenha que eu e o governador ir lá trabalhar na obra, com certeza vamos terminar”, declarou Miglioli, durante entrevista ao programa Tribuna Livre, na Rádio FM Capital.

Segundo ele, o Aquário do Pantanal foi um dos temas da primeira reunião de secretários em 2017 com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), esta semana.

“Ficou decidido que terminaremos a obra. Nós estamos buscando uma alternativa e acho que vai dar certo. Eu estou muito otimista”, garantiu o secretário, sem revelar detalhes sobre o que o Governo do Estado irá fazer para a retomada da obra, paralisada por determinação da Justiça. No dia 11 de janeiro, o próprio Miglioli já havia declarado ao Campo Grande News que “a meta do governo é encontrar alternativas para terminar o Aquário em 2017”.

Secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, garante que está otimista sobre conclusão da obra até 2018 (Foto: Marcos Ermínio)
Secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, garante que está otimista sobre conclusão da obra até 2018 (Foto: Marcos Ermínio)

Em janeiro, a alternativa admitida por Miglioli para a conclusão da obra era fazer parceria do governo com o Grupo Cataratas, do Paraná, que já administra diversos pontos turísticos famosos pelo Brasil, e venceu a licitação para gerir o Aquário do Pantanal.

Ouvido pelo Campo Grande News, a empresa Cataratas confirmou que se comprometeu com o governo estadual a buscar alternativas para a conclusão da obra, e que até o final de fevereiro apresentará um diagnóstico sobre o projeto contendo sugestões para finalizar a construção de forma mais rápida e pelo menor custo, mas descartou qualquer possibilidade de financiar o término do empreendimento.

“Não há financiamento das obras. O Grupo Cataratas foi procurado pelo Governo de Mato Grosso do Sul para contribuir com ideias e fazer ajustes no projeto, e ratifica o interesse em assumir a operação após a conclusão das obras”, informou o Grupo Cataratas por meio de nota.

Em dezembro de 2014, o grupo venceu licitação para gerir o Aquário do Pantanal por 25 anos em troca da exploração do empreendimento por meio da venda de ingressos e de produtos com a futura marca, a exemplo do que já faz na administração do Parque Nacional das Cataratas do Iguaçu, e também do Aquário Marinho do Rio de Janeiro, do Zoológico do Rio e do Marco das Três Fronteiras, memorial localizado na divisa do Brasil com Argentina e Paraguai, em Foz do Iguaçu.

HISTÓRICO - A falta de recursos não é o único problema para a retomada da construção do Aquário. Há ainda o impasse judicial relacionado ao que já foi gasto com a obra, iniciada ainda na gestão do ex-governador André Puccinelli.

O contrato inicial com a construtora Egelte Engenharia previa investimento de R$ 84 milhões, mas a obra já consumiu R$ 230 milhões, e o custo já foi aditivado em 25%, o máximo permitido pela legislação.

Dados atualizados da Secretaria Estadual de Infraestrutura revelam que a conclusão do Aquário exigirá investimento de mais R$ 50 milhões. Isso fora os R$ 18 milhões que o governo já tem em caixa para investir na obra.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário