A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

03/07/2018 09:54

Com Aquário parado, Agesul abre licitação de R$ 2,1 milhões para museu

Segundo assessoria, o dinheiro é fruto de convênio federal e tem data para execução, por isso, precisa ser aplicado

Mayara Bueno
Aquário do Pantanal, em Campo Grande, visto de cima. (Foto: Luiz Diniz/Arquivo).Aquário do Pantanal, em Campo Grande, visto de cima. (Foto: Luiz Diniz/Arquivo).

Com a obra do Aquário do Pantanal parada, a Agesul (Agência de Gestão de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul) abriu licitação buscando empresa para construir o Museu Interativo de Biodiversidade no valor de R$ 2,1 milhões. O local está previsto no projeto original do Aquário, localizado nos altos da avenida Afonso Pena, em Campo Grande.

Segundo a assessoria da Agência de Empreendimentos, a licitação teve de ser aberta, pois o recurso já garantido em convênio com a Petrobras tem prazo de limite para execução.

Segundo o aviso de licitação, divulgada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (dia 3), as propostas serão abertas em 3 de agosto, a partir das 9 horas, na Agesul.

A empresa selecionada terá de executar "serviço técnico especializado em instalações e montagens de infraestrutura para o pleno funcionamento do Museu Interativo da Biodiversidade".

Ainda segundo a assessoria, a construção do museu poderá ser iniciada, independentemente da resolução do impasse da obra principal.

Em 2017, a Secretaria havia afirmado que o espaço tecnológico contará com 180 estações e nelas serão divulgadas características do Estado, com o bioma do Cerrado. O projeto é fruto de convênio do Executivo Estadual com a Petrobras firmado ainda em 2014, ano que em se prometeu entregar o Aquário pronto.

Resumo - O convênio federal é só um aspecto do empreendimento inacabado. Até agora, estima-se que saíram R$ 200 milhões dos cofres estaduais para a construção do Aquário.

A obra está completamente parada atualmente, depois que a situação foi parar na Justiça. Isso porque o governo estadual tentou, com aval do Ministério Público e outros órgãos, contratar uma nova empresa sem a necessidade de fazer licitação - situação obrigatória no Poder Público.

A justificativa é de um novo processo alongaria ainda mais a espera pela conclusão. A Justiça, no entanto, negou a possibilidade e, agora, o Estado recorre da medida.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions