ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Comerciante tenta fazer procuração para agiota com escritura falsa e é preso

Lucas Thiago Kusano queria dar imóvel como garantia para empréstimo de R$ 4,5 mil

Por Ana Paula Chuva | 18/04/2024 16:01
Fachada da Derf onde caso foi registrado e comerciante preso (Foto: Arquivo)
Fachada da Derf onde caso foi registrado e comerciante preso (Foto: Arquivo)

Lucas Thiago de Lima Kusano, de 36 anos, foi preso em flagrante por uso de documento público falso após tentar fazer procuração para agiota em cartório. O caso aconteceu na tarde de quarta-feira (17), no Bairro Amambai, em Campo Grande. Equipe da Derf (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Roubos e Furtos) foi acionada por funcionários do local.

Conforme o registro policial, Lucas chegou ao cartório com escritura de imóvel e queria fazer uma procuração pública para outro homem de 45 anos. Depois de colher informações, os funcionários do local constataram que o documento era de uma casa localizada no Bairro Maria Aparecida Pedrossian e que pertencia ao pai do comerciante, que morreu em 2019.

A polícia então foi acionada, pois a escritura usada por Lucas era falsa. Quando a equipe chegou ao cartório, abordaram os dois homens e o comerciante contou que havia recebido o documento de familiares porque o imóvel havia sido dado a ele em processo de inventário.

Já o outro homem alegou ser agiota e que Lucas faria uma procuração pública para que ele administrasse o imóvel como forma de garantia de pagamento por empréstimo de R$ 4,5 mil. O comerciante recebeu voz de prisão e aguarda audiência de custódia.

O homem que estava com o comerciante e alegou ser agiota foi ouvido como testemunha.

Histórico -  Em fevereiro de 2022, Lucas foi preso se passando por médico veterinário. Na época, ele já era investigado há sete anos e foi encontrado durante atendimento em um sítio em Dourados, cidade a 251 quilômetros de Campo Grande.

Lucas usava documento de outro médico e foi denunciado a primeira vez para o setor de fiscalização do CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária) em novembro de 2014, desde então passou a ser investigado. Ele foi preso em flagrante por identidade falsa e falsidade ideológica, mas foi ouvido e liberado.

Na ficha criminal, Lucas também tem passagens por violência doméstica, injúria e ameaça.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias