A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

15/03/2015 17:23

Em ato contra Dilma, medo de ter que cortar supérfluos também é bandeira

Flávia Lima e Caroline Maldonado
Grupos de amigos vestiam verde e amarelo e se encontraram em esquinas do centro para participar de ato. (Foto:Marcelo Calazans)Grupos de amigos vestiam verde e amarelo e se encontraram em esquinas do centro para participar de ato. (Foto:Marcelo Calazans)

A reclamação pela alta dos preços e o receio de ter que cortar itens supérfluos de sua lista de compras foi um dos motivos que tirou de casa a funcionária pública Cristiane Mônaco para pedir o impeachment da presidente Dilma Roussef, na tarde deste domingo (15) em Campo Grande. Ela disse estar “revoltada” com o governo petista devido a política econômica adotada.

“Ainda não fiz cortes no orçamento, mas do jeito que está, provavelmente no futuro os gastos vão influenciar na parte dos supérfluos”, diz.

A amiga Katia Lago também criticou a alta da gasolina e da inflação. “Tudo isso tornou meu orçamento mais difícil. Por enquanto ainda não precisei fazer cortes, mas esta tudo muito caro”, reclamou.

Também integrando o grupo estava a arquiteta Marcia Ribeiro que se mostrou descrente do movimento. “Acho que a manifestação não vai mudar em nada, mas quero mostrar meu descontentamento com a Dilma”, afirmou.

Para as amigas, não há um político idôneo, de honestidade ilibada para assumir o lugar da presidente, caso realmente ocorra o impeachment, porém todas concordam que a situação política precisa ser transformada.

“Não ficaria contente se o Temer assumisse, mas temos que tirar a Dilma”, protesta Marcia. Já as colegas Cristiane e Katia acreditam que Aécio Neves, que disputou as eleições com Dilma, seria a melhor alternativa para melhorar o cenário político do país. “Não vejo uma pessoa ideal, mas acredito que o Aécio seria uma boa pessoa para assumir o governo”, destaca.

“Queremos apenas que tire o PT do poder, que causou tanta roubalheira. Estamos cansados disso”, emendou a amiga Katia Lago.

As amigas se encontraram no parque Belmar Fidalgo, de onde seguiram para a praça do Rádio Clube para participarem do ato. Vários grupos tiveram como ponto de encontro o Belmar e as ruas próximas ao parque.

Nas ruas que dão acesso à Afonso Pena, o tráfego foi interrompido pelos quarteirões por onde passam os manifestantes. Muita gente estaciona o carro e segue a pé para a avenida.

O protesto segue com tranquilidade em Campo Grande, inclusive, com muitas crianças.

A organização é muito superior a de grandes manifestações populares, como as que ocorreram em junho pelo Brasil. Há 2 trios elétricos e até o uso de drones para registrar as imagens, além de muitos paus de selfie.

A maioria grita pela saída da presidente Dilma. Só alguns, bem mais exaltados, pedem a "morte" dos petistas.

Criança...Criança...
e jovens na manifestação.e jovens na manifestação.
Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions