A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

12/07/2013 15:17

Foragido, lutador que matou vigia é condenado a 16 anos de prisão

Elverson Cardozo e Bruno Chaves
Julgamento na manhã desta sexta-feira. (Foto: Cleber Gellio)Julgamento na manhã desta sexta-feira. (Foto: Cleber Gellio)
Airton Colognesi foi preso no dia do crime, mas, devido a um habeas corpus, conseguiu sair. Logo depois, a justiça pediu a prisão preventiva dele. (Foto: Pedro Peralta/Arquivo)Airton Colognesi foi preso no dia do crime, mas, devido a um habeas corpus, conseguiu sair. Logo depois, a justiça pediu a prisão preventiva dele. (Foto: Pedro Peralta/Arquivo)

O lutador de Jiu-jítso Airton Colognesi foi condenado a 16 anos de reclusão em regime inicialmente fechado por matar, a golpes de barra de ferro, o vigia do posto de combustíveis Adelson Eloi Neston de Almeida, há pouco mais de 2 anos, em Campo Grande. O crime, segundo informou a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, foi considerado hediondo.

Apesar da pena, Airton está foragido. Como a defesa do lutador forneceu endereço errado, em Várzea Grande (MT), ele não conseguiu ser encontrado, mas o julgamento, nesta sexta-feira (12), aconteceu assim mesmo, à revelia, ou seja, sem a presença do réu.

À época do assassinato, Colognesi foi preso em flagrante, mas conseguiu liberdade graças a uma habeas corpus. Logo depois, a Justiça pediu a prisão preventiva dele, mas o homem não foi localizado. No documento encaminhado pela defesa, o réu pede revogação da prisão.

Ele anexou documentos dizendo que trabalhava e que tinha um filho de 1 mês. O promotor de acusação, Claudio Rogério Ferreira Gomes, questionou. “Porque na hora de cometer o assassinato ele não pensou na criança que estava em casa, com um mês de vida? Porque não pensou que aquela vítima também teria filhos?”

Segundo o promotor, o acusado estava bêbado durante o crime, mas disse que matou para se defender. “Ele falou pegou uma barra de ferro das mãos do vigia para se defender. Disse que depois que soltou a barra deu duas ou três porradas na vítima, mas não era para matar. Também disse que foi agredido na cabeça pela barra de ferro, mas como vocês podem ver nas imagens da entrevista, ele não tinham nenhum arranhão na cabeça. Um casal presenciou a cena”, declarou.

Durante o júri popular, a acusação usou imagens produzidas pela TV morena.

Entenda o caso – O vigia Adelson Eloi Nestor de Almeida, a época com 46 anos, foi espancado até a morte na em um posto de gasolina na avenida Tamandaré, no Jardim Seminário, em Campo Grande.

Segundo a polícia, o crime aconteceu por volta da meia noite e meia, no posto Antares, que fica nas proximidades, praticamente ao lado de uma universidade particular. A vítima estava trabalhando quando flagrou Airton Colognesi, 30 anos, passando no meio das bombas de combustíveis.

O vigia abordou o rapaz e o pediu que ele saísse dentro do posto, porque o local era propriedade particular e já estava fechado. Airton não gostou de ser advertido por Adelson, e os dois, de acordo com a polícia, começaram a discutir.

A discussão terminou em agressão. Na tentativa de espaçar do autor, Adelson Eloi correu para uma borracharia que fica ao lado do posto, mas, no local, foi golpeado na cabeça por Airton, que usou uma barra de ferro.

O vigia, que teve o rosto desfigurado, morreu dentro do estabelecimento. O corpo de dele foi encontrado em uma calçada. No exame necroscópico ficou constatado que a vítima, devido ao golpe, tinha uma rachadura de 10 centímetros na extensão da cabeça.

O autor foi preso em flagrante por policiais do 9º BPM (Batalhão da Polícia Militar) deitado em um gramado em frente da universidade. Conforme a PM (Polícia Militar), ele estava embriagado. Na delegacia, Airton alegou, à época, legítima defesa.

Acusado de espancar vigia até a morte vai a júri hoje
Logo mais, a partir das 8h de hoje (12), começa o julgamento do lutador de jiu-jítso Airton Colognesi, que é acusado de espancar até a morte o vigia ...
Lutador que matou vigia espancado vai a júri popular nesta sexta-feira
Vai a júri popular a partir das 8 horas desta sexta-feira, Airton Colognesi, o lutador que na madrugada do dia 7 de julho de 2011, em Campo Grande, m...


A defesa forneceu endereço errado? Então a defesa deve se apresentar no lugar do mesmo e ser punida. O erro do endereço foi intencional para que o mesmo fugisse e não fosse capturado em caso de sentença de prisão. Essa tática do advogado é um crime eo mesmo deveria perder o direito de advogar no país permanentemente e ser preso por facilitar fuga e se associar-se ao crime sendo punido com cadeia!
 
Alexandre de Souza em 12/07/2013 22:12:10
Esse cara não pode nunca ser chamado de Lutador. Um Lutador tem caráter, é inteligente, domínio próprio, fala baixo, foge de briga e muito são espiritualista. Agora cadeia pra esse brigador de rua.
 
Carlos Lamarca em 12/07/2013 21:20:04
Tem que fazer a foto desse monstro assassino "correr mundo a fora", via sites de relacionamento. Tem que ir para traz das grades o quanto antes.
 
Fernando Silva em 12/07/2013 17:15:48
Cadeia nesse facínora! Precisa atualizar esse código de processo penal. Homicidio qualificado não pode ter livramento nem relaxamento de prisão.
 
Estacio Quevedo em 12/07/2013 17:09:05
JUSTIÇA SEJA FEITA!!! MAS 16 ANOS PRA ESSE COVARDE É POUCO!!! PESSOAS DESSE TIPO TEM QUE SER INSTINTO DA SOCIEDADE!!! EM ALGUNS CASOS PESSOAS FAZ O JIU-JÍTSU PRA SUA PRÓPRIA DEFESA , E OUTROS NO CASO DESSE DELINQUENTE PRA SAIR A NOITE BANCANDO O VALENTÃO E TIRANDO VIDAS!!!!! IDIOTA, MIL VEZES COVARDE!!!!!!!!!
 
CRIS. ALVES em 12/07/2013 16:50:15
PRENDAM O ADVOGADO ATÉ ELE APARECER. FOI ELE QUE PROMETEU APRESENTAR O CRIMINOSO ASSIM QUE O CHAMASSEM.
 
samuel gomes-campo grande em 12/07/2013 16:15:03
Parabéns a justiça TJ-MS foi feita agora só falta capturar o réu para o mesmo pagar sua pena e sofrer um pouco igual a família da vitima esta sofrendo.
 
anibal echevrria em 12/07/2013 15:58:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions