ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  24    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Fumaça produzida pelo lixão cobre dois bairros de Campo Grande

Por Francisco Júnior | 10/02/2012 13:55

Moradores na vizinhança reclamam do desconforto que estão passando

Fumaça cobre os dois bairros. (Foto: Marlon Ganassin)
Fumaça cobre os dois bairros. (Foto: Marlon Ganassin)

Moradores dos bairros Parque Lageado e Parque do Sol estão passando por um tormento nos últimos dias. O motivo é a densa fumaça produzida pelo lixão que fica na região dos dois bairros.

Segundo os moradores, o problema já existe há anos, mas se intensificou neste ano. Edinaldo Viana conta que quando a fumaça cobre os bairros fica insuportável respirar. “Eu tenho dois filhos, um com cinco anos e uma menina com dois anos de idade,que ultimamente vem sofrendo constantes problemas respiratórios decorrente da fumaça que respiram dia e noite”, reclamou.

De acordo com a comerciante Sebastiana Fernandes Guimarães, 47 anos, os horários mais críticos, quando a fumaça fica mais densa, são as 6 e 16 horas. “Ontem á tarde foi complicado. A fumaça tomou conta do bairro todo. Nem dava para respirar. A nossa saúde fica prejudicada”.

O aposentado Sadir de Lima, de 63 anos, mora no bairro há 16 anos no Parque do Sol. “Desde que mudei para cá convivo com esse transtorno. Às vezes nem dá para enxergar a rua de forte que está à fumaça. Fora quando a região fica tomada por moscas”.

Conforme a doméstica Regina dos Santos, 47 anos, à noite é quando a situação piora. “A gente já está dentro de casa e essa fumaça invade tudo. Por conta do lixo, o cheiro de podre é muito forte. Nem dá vontade de comer”, contou.

O depósito de resíduos existe desde 1984 e, conforme acordo firmado em fevereiro de 2010, entre a Prefeitura e o MPE (Ministério Público Estadual), está com os meses contados.

Um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado em 2010 prevê o fim do lixão, a criação de um aterro sanitário, num terreno ao lado, e a implantação de uma usina de processamento do lixo (UPL), a ser gerenciada pelos catadores que, atualmente, vivem de recolher materiais recicláveis no local.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário