A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

05/09/2013 10:59

Homem de 48 anos morre após fazer transplante de coração em hospital

Francisco Júnior

Um homem de 48 anos morreu após ser submetido a um transplante de coração na tarde de ontem (4), na Santa Casa de Campo Grande. Ozéias Albino Santos era de Maracaju e aguardava o transplante há dois anos.

De acordo com assessoria de imprensa da Santa Casa, o coração doado veio de uma paciente que estava internada no hospital.

A cirurgia foi iniciada nesta quarta-feira às 13 horas e terminou por volta das 18 horas. Já na madrugada de hoje o paciente não resistiu e morreu. De acordo com o diretor técnico do hospital, Luiz Alberto Kanamura, Ozéias morreu em decorrências de complicações da cirurgia e não por problemas no órgão transplantado.

Esse é o terceiro transplante realizado este ano na Santa Casa desde que o hospital retomou este tipo de procedimento.



Da medo mesmo viu cezar, um colega meu foi fazer uma cirurgia simples, pegou infecção e morreu! sinto muito pelo seu irmão!
 
daniela dias em 06/09/2013 00:17:55
Verdade, conheço inúmeros casos de procedimentos bem sucedidos tanto na Santa Casa como no Regional as operações são bem sucedidas pouco tempo depois a infecção hospitalar mata o paciente, estamos perdidos! No regional até pombos doentes são vistos entre os leitos. O brasileiro está a míngua.
 
Gisele Moraes em 05/09/2013 17:42:13
Todos os que trabalham no hospital devem se conscientizar que não devem andar de jaleco nas ruas e adentrar no hospital, pois essa atitude traz vírus e bactérias juntas ao jaleco para as salas dos enfermos, contribuindo com a infecção hospitalar, um exemplo é só olhar no saguão em frente ao hospital que verá muitos funcionários circulando com jaleco.
 
Sandro Lima em 05/09/2013 16:31:21
Há 45 anos aconteceu o primeiro transplante de coração no Brasil e atualmente a estatística diz que 88% dos transplantados sobrevivem no 1º ano. No INCOR a taxa está acima da média e, por isso, bem que poderia haver um entendimento entre a Santa Casa e o INCOR por exemplo, para que médicos fizessem um período lá em S. Paulo a fim de poderem atualizar a prática da cirurgia de transplante de coração. Os médicos precisam estar sempre se reciclando através de cursos e exercendo a técnica no sentido de aprimoramento. Não tenho certeza se é a situação da Santa Casa, mas acredito que em seu quadro há excelentes médicos, apenas necessitando de mudanças para melhorar. Isso que eu penso.
 
ADALTO DE OLIVEIRA DIAS em 05/09/2013 14:43:42
Pois é meu irmão foi o primeiro o transplante foi um sucesso, assim falaram os médicos mas ele pegou infecção hospitalar e faleceu. Essa santa casa esta podre, cheia de vírus. E tudo fica por isso mesmo.Quem perde é os familiares.
 
Cezar Crespo em 05/09/2013 11:33:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions