ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Imagem mostra mulher correndo com o corpo em chamas no Amambaí

Crime aconteceu por volta das 3h desta terça-feira (1°), na Rua Vasconcelos Fernandes, na região da antiga rodoviária

Por Viviane Oliveira | 01/10/2019 11:56
Momento em que suspeita ateia fogo no corpo da vítima (Foto: divulgação/vídeo)
Momento em que suspeita ateia fogo no corpo da vítima (Foto: divulgação/vídeo)

Imagem feita com câmera de celular mostra o momento em que Ana Cristina Gomes do Santos, 31 anos, corre com o corpo em chamas. Ela sofreu queimaduras de 2º e 3º graus em 50% do corpo. As regiões mais atingidas foram costas, braços e pernas. O caso aconteceu na madrugada desta terça-feira (1º), na Rua Vasconcelos Fernandes, no Bairro Amambaí, na região da antiga rodoviária, em Campo Grande.

Ana Cristina foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros à Santa Casa em estado grave. Dafiny Guimarães da Silva, 27 anos, conhecida como Bilu, principal suspeita pelo crime, está foragida. Enquanto a vítima corre desesperada com o corpo pegando fogo, um homem que está perto ainda tenta apagar as chamas, mas sem sucesso. O vídeo mostra ainda grande movimentação de usuários de drogas. 

Conforme boletim de ocorrência, Ana Cristina dormia na antiga rodoviária, quando a suspeita jogou gasolina e ateou fogo no corpo dela. Após o fato, conforme testemunhas relataram à polícia, Dafiny foi resgatada por membros de uma facção criminosa e ainda não foi presa. 

Briga - Ainda conforme o registro policial, Ana Cristina e Dafiny foram detidas por volta do meio-dia de ontem (30) após uma briga na mesma região. Durante a prisão das mulheres, usuários de drogas tentaram impedir a ação da Polícia Militar e chegaram a atirar pedras contra a guarnição. Elas foram levadas à delegacia e na sequência liberadas.  

A região da antiga rodoviária é conhecida não apenas pelo comércio, mas também pela grande quantidade de usuários de droga e moradores de rua circulando no local. Assista, abaixo, ao vídeo. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro, mas será investigado pela 1ª Delegacia de Polícia Civil.

Nos siga no Google Notícias