A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

05/08/2011 18:30

Juiz aceita denúncia contra lutador que matou vigia e nega prisão

Nadyenka Castro

Negativa é justifica pela concessão do habeas corpus

No local do crime ficaram manchas de sangue. (Foto: Simão Nogueira)No local do crime ficaram manchas de sangue. (Foto: Simão Nogueira)

O juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, aceitou denúncia do MPE (Ministério Público Estadual) contra o lutador Airton Colognesi, 30 anos, que no dia 7 de julho deste ano matou o vigia Adelson Eloi Nestor de Almeida, 46 anos, em Campo Grande.

Na denúncia, o MPE pediu a prisão preventiva de Airton. O magistrado indeferiu a solicitação, alegando que o lutador, agora réu, está amparado por habeas corpus.

“... deixo de aprecia-lo pois houve impetração de habeas corpus no Tribunal de Justiça, o qual concedeu, liminarmente, liberdade provisória ao aludido acusado”, justifica o juiz.

O caso - Airton matou Adelson no posto de combustíveis em que a vítima trabalhava, na madrugada. Testemunhas afirmaram inicialmente que o lutador utilizou uma barra de ferro para matar o vigia. A barra foi encontrada no local do crime, suja de sangue.

No entanto, estas mesmas testemunhas mudaram a primeira versão que passaram à Polícia e o autor negou que tivesse utilizado a barra.

Agora, laudo pericial divulgado nesta sexta-feira constatou que Adelson foi atingido pela barra de ferro. Outro laudo já havia constatado rachadura de 10 centímetros na cabeça da vítima.

O autor confesso do assassinato foi preso em flagrante, com as roupas ainda manchadas de sangue, mas, duas semanas depois saiu da cadeia com autorização judicial.

O juiz Alexandre Ito, em substituição na 2ª Vara à época, determinou fiança de 10 salários mínimos para a soltura, entretanto, a defesa alegou que ele não tinha condições de fazer o pagamento e o Tribunal de Justiça concedeu habeas corpus sem o pagamento.



JUSTIÇA...........................SÓ MESMO A DE DEUS.....
 
DANIEL SOARES em 06/08/2011 10:33:18
esse negocio da lei, tem varias brechas, e os advogados fazem a festa, ninguem pode diblar a lei desse jeito , um fato e inegavel, o cara matou o frentista do posto na paulada e na porrada, . ponto acabou, ele matou e tem que responder pelo que fez, nao pagou nem a porcaria da fiança e foi solto, ta de brincadeira.
 
luiz fernandes em 06/08/2011 08:49:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions