ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Juiz nega ponto final em ação contra delegado, coronel e Escobar brasileiro

Processo é da operação Xeque-Mate, quando a Polícia Federal investigou jogatina em MS

Aline dos Santos | 02/09/2022 10:36
Em junho de 2007, Polícia Federal investigou esquema sobre máquinas caça-niqueis em MS. (Foto: Divulgação)
Em junho de 2007, Polícia Federal investigou esquema sobre máquinas caça-niqueis em MS. (Foto: Divulgação)

A nova Lei da Improbidade Administrativa não botou ponto final em ação de enriquecimento ilícito que tramita desde 2009 na 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande.

O processo é derivado da operação Xeque-Mate, deflagrada pela Polícia Federal em junho de 2007 contra policiais e servidores suspeitos de aceitarem propina para tolerar jogos de azar (caça-níqueis).

A lista de denunciados tem o delegado aposentado Fernando Augusto Soares Martins, o coronel aposentado José Ivan de Almeida (ex-comandante da Polícia Militar) e o ex-major Sérgio Roberto de Carvalho, que desde 2020 ganhou status de “Escobar brasileiro” e foi preso neste ano, na Europa.

Na última terça-feira (dia 30), o juiz Alexandre Corrêa Leite indeferiu o requerimento de extinção do processo com base na prescrição intercorrente, prevista na nova lei. O pedido foi feito pelas defesas de Fernando Augusto e José Ivan. De acordo com o magistrado, a aplicação da legislação não é retroativa.

“Em outras palavras, conquanto se aplique da lei nova o prazo, este se conta a partir da entrada em vigor daquela e não retroativamente, do nascimento da pretensão e/ou da causa de interrupção da prescrição”.

Ex-major Carvalho (centro) durante julgamento em Campo Grande. (Foto: Arquivo)
Ex-major Carvalho (centro) durante julgamento em Campo Grande. (Foto: Arquivo)

A defesa de Fernando Augusto destacou que ele já foi absolvido no processo criminal da 5ª Vara Federal de Campo Grande, com absolvição confirmada pelo TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região).

Conforme artigo da nova Lei de Improbidade Administrativa, a absolvição criminal em ação que discuta os mesmos fatos, confirmada por decisão colegiada, impede o trâmite da ação de improbidade.

O juiz determinou que o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) se manifeste no prazo de quinze dias sobre o pedido da defesa do delegado aposentado antes de organizar o andamento do processo.

O advogado Carlos Marques, que atua na defesa de José Ivan, informa que não vai recorrer porque o STF (Supremo Tribunal Federal) já decidiu que a nova lei não retroage.

 “Agora, a ação vai prosseguir. Não teve sequer a instrução do processo. Ou seja, é coisa para mais cinco ou seis anos. De forma que estará prescrito daqui a pouco. Ao meu ver, a ação é inepta, sem objeto. Só que o STJ [Superior Tribunal de Justiça] mandou prosseguir e vamos enfrentar a instrução”, afirma.

Carlos Marques detalha que, no curso desses 13 anos, a Justiça de primeiro grau entendeu que a ação civil pública era inepta, sem condições de prosseguir. O entendimento foi mantido pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça). Porém, a promotoria recorreu ao STJ, que mandou a ação ser retomada na 2ª Vara de Direitos Difusos.

A defesa de Fernando Augusto também não vai recorrer. “A tese era de aplicação retroativa dos novos prazos de prescrição (alteração recente da lei de improbidade), mas o Supremo decidiu que essa parte da nova legislação (novo regime prescricional) não pode ser aplicada retroativamente, aplicando-se os novos prazos somente a partir da publicação da nova lei, ocorrida em 2021”, afirma o advogado Rodrigo Marques Moreira.

Ele destaca que ainda há pedido aguardando análise da Justiça. “O cliente foi absolvido na ação penal sobre os mesmos fatos e pela nova lei de improbidade, a absolvição penal por qualquer razão impede o prosseguimento da ação civil pública por improbidade”.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa do ex-major Sérgio Roberto de Carvalho.

Nos siga no Google Notícias