A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

05/09/2011 10:15

Justiça lança projeto de assistência a mães na doação de recém nascidos

Viviane Oliveira
O lançamento do projeto foi realizado nesta segunda-feira. (Foto: João Garrigó)O lançamento do projeto foi realizado nesta segunda-feira. (Foto: João Garrigó)

A Vara da Infância e da Juventude lançou nesta segunda-feira projeto que busca reduzir os casos de abandono de recém nascidos e tornará o processo de adoção mais prático. O projeto Dar a Luz foi lançado no Fórum de Campo Grande com a presença de profissionais da área da saúde, assistentes sociais e psicólogos.

A juíza da Vara de Infância e Juventude, Katy Braun do Prado, explica que o objetivo é oferecer serviço de acolhimento, apoio e orientação às mulheres que desejam entregar seus filhos para adoção. Outro ponto é a reflexão sobre o processo de decisão e sobre a importância da entrega. “É importante frisar que no acompanhamento a mãe pode desistir a qualquer momento de doar o filho”, diz a juíza.

Segundo a juíza, o objetivo maior é tornar acessíveis os serviços da Justiça da Infância e Juventude. Os profissionais da saúde e assistentes sociais vão orientar as mulheres que desejam entregar o recém nascido para adoção.

“O projeto surgiu de uma observação de que muitas mulheres que têm gravidez indesejada não sabem o que fazer”, disse a juíza. Conforme ela, a mulher precisa entender que entregar o filho para adoção não é crime e sim um ato de amor que a mãe é capaz naquele momento.

A assistente social da maternidade da Santa Casa, Sueli Nunes, conta que por ano em média tem dois ou três casos de mãe que abandona o filho no hospital. “Isso acontece com mulheres que são usuárias de drogas e profissionais do sexo”, explica.

De acordo com Sueli só este ano foram três casos de abandono de recém nascido. “A mulher simplesmente foge do hospital e deixa a criança lá”.

Outro ponto é de que existe uma rede clandestina no hospital para fazer adoção de forma ilegal. “O maior índice de adoção que não dão certo começam assim”, afirma Katy.

Hoje 10 crianças de 0 a 2 anos passam por processo de destituição de poder dos pais. “Se as mães tivessem procurado a Vara da Infância para doar essas crianças, elas já estavam com uma família e não em abrigo como acontece hoje.

Justiça incentiva adoção legal de crianças como antídoto ao abandono
De um ano para cá, seis casais deixaram a fila da adoção, em Campo Grande, e realizaram o desejo de ser pais graças a um projeto que, ao mesmo tempo,...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


Parabéns à Dra Katy! Seu trabalho à frente da vara da infäncia em C Gde é louvável! Que as pessoas se conscientizem que a adoção pelo Judiciário é a mais justa e melhor para pretendentes e crianças.
 
Alice Costa em 05/09/2011 09:02:57
Esta atitude é louvável. Minha esposa e eu estamos em processos de habilitação para adoção e sentimos na pele como os processos ditos "por fora" atrapalham o andamento das adoções. É preciso elucidar à comunidade em geral que os procedimentos formais existem para proteger a integridade global da criança e também garantir uma adoção segura aos pais pretendentes. Muitos reclamam da morosidade, mas enquanto todos não buscarem o caminho correto, a fila continuará mais lenta por causa destes "vazamentos".
 
José Augusto em 05/09/2011 05:18:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions