A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

01/03/2013 09:51

Mãe denuncia hospital particular por 2 diagnósticos errados desde janeiro

Viviane Oliveira
Raquel mostra o resultado do exame, que comprova que a criança está com dengue. (Foto: Adriel Mattos)Raquel mostra o resultado do exame, que comprova que a criança está com dengue. (Foto: Adriel Mattos)

O filho da publicitária Raquel Tuller, de 36 anos, por cinco dias tomou antibiótico para uma doença que não existia. O menino estava com dengue, mas a medicação foi receitada para tratar de uma sinusite.

Revoltada, a mãe garante que falou da suspeita de dengue por conta de todos os sintomas apresentados, mas diz que a médica infectologista que atendeu o menino sequer pediu um  hemograma. "Só depois de levar em outro médico é que confirmaram a dengue", conta.

Segundo a publicitária, no dia 20 de fevereiro, o filho de 9 anos foi levado por ela ao Hospital da Criança com febre alta e dor de cabeça. Depois de 2h30 de espera, eles foram atendidos pela médica que, sem nenhum exame, disse que a criança estava com sinusite. “Ela não pediu uma radiografia e não solicitou nenhum exame. Eu ainda perguntei se não era bom fazer um hemograma”, disse Raquel.

Segundo a mãe, a infectologista respondeu que não precisava e receitou um antibiótico. “Durante cinco dias o menino tomou o remédio com muita dificuldade e o sintoma da dengue era cada dia mais evidente, inclusive, com as pintas no corpo”.

Na terça-feira, Raquel levou o filho a outro médico e confirmou a doença . “Gente, nós estamos vivendo uma epidemia e a médica sequer pediu um hemograma. Já pensou se o meu filho tivesse com dengue hemorrágica? Ele tinha morrido. Graças a Deus procurei outro médico e hoje ele está melhor ”, reclama a mãe. 

Raquel disse que já procurou um advogado para tomar as devidas providência, tanto em relação à médica quanto ao hospital. “Vamos entrar com uma representação contra a médica no CRM (Conselho Regional de Medicina). Chega de achismo, com saúde não se brinca", desabafa. 

Ainda conforme a mãe, em menos de 2 meses, é a segunda fez que o hospital erra no diagnóstico. "Na primeira vez eles falaram que o meu filho de 11 meses estava com meningite, sendo que ele estava com começo de pneumonia", reclama.

Procurado, o diretor do Hospital da Criança, Bendito Anache, informou que vai conversar com a médica. “Eu vou falar com a doutora pessoalmente para que isso não se repita mais. Não deveria acontecer, mas infelizmente nós médicos também falhamos”.

A reportagem entrou em contato com a secretária da médica responsável pelo atendimento, que ficou de entrar em contato com ela, mas até o fechamento desta matéria não obteve resposta. 



Meu filho também foi vitima do descaso de médicos no hospital da criança. Neste último sábado meu filho de 2 anos acordou chorando muito e estava com o pescoço rigido, não conseguia fazer movimentos e babava muito; estive no hospital da criança e fomos atendidos por um médico que nos certificou de que o problema era torcicolo; massageou o pescoço da criança dizendo que iria relaxar. Mais tarde ainda com febre e babando muito voltamos para o hospital para uma reavaliação pois estava muito estranho; outro plantonista examinou meu filho e me disse que eu podia ficar tranquila pois não havia nada na garganta da criança. Às 22:00 retornei ao hospital com meu filho ardendo em febre e após 2 horas de espera fomos atendidos por um 3º profissional que diagnosticou uma forte infecção nas amidalas.
 
solange lourenço de souza em 01/03/2013 21:21:04
Pelos comentários, todos querem atendimento médico de excelência; mas será que estamos dispostos a pagar por ele?
 
Gustavo Ribeiro em 01/03/2013 16:34:53
E fácil ser compreensivo quando a falha atinge filhos ou familiares de outrem. Si eu errar na receita de um bolo, faço outro na costura de uma roupa reparo o prejuízo e pronto, vida só e uma 1 um filho não substitui o outro , pai mãe só temos um temos que ser mais atento quando o assunto e erro médico. Já vivi essa experiência e quaseperdi meu filho que era alérgico e se deparou com cinco diagnósticos errado quase perdi meu filho. Os profissionais da saúde sabia que a profissão que estavam escolhendo não admitia erros como tudo na vida se gozo dos bônus tenho que arcar com o ônus .
 
Maria Alves em 01/03/2013 16:13:02
ESSES ERROS DESSE HOSPITAL NÃO É DE AGORA, ALGUNS ANOS ATRÁS LEVEI MEU FILHO PRÁ TOMAR A VACINA DE HEPATITE ELA TEM VÁRIAS DOSES, POIS BEM LEVEI ELE TOMOU A PRIMEIRA DOSE, DEPOIS DOS DIAS QUE DISSERÃO PARA RETORNAR E TOMAR A SEGUNDA DOSE ELE APLICARÃO COMO FOSSE A PRIMEIRA DOSE, RECLAMEI COM O HOSPITAL E NADA FIZERÃO NEM EXPLICAÇÃO SOBRE O MEU FILHO TER TOMADO DUAS DOSE DA MESMA VACINA SE HAVERIA ALGUM PROBLEMA. NA REALIDADE NÃO TEMOS FISCALIZAÇÃO E NEM HOSPITAL DE REFERENCIA PARA AS NOSSAS CRIANÇAS ISSO DÁ MEDO.
 
AUXILIADORA MARTINS em 01/03/2013 16:09:19
Quanta ignorância. O hospital da criança é o único hospital que conseguiu manter-se em pé no atendimento pediátrico de bom nível pelo baixo valor que o convenio remunera, saindo menos de R$ 40,00 uma consulta para o médico que se depara com um plantão com mais de 40 crianças para atender a madrugada toda e não é possivel manter uma equipe com 2 pediatras pois ninguem quer se sujeitar a tal coisa . O filho dessa senhora foi bem atendido acredito mas concordo com o leitor que alertou o cuidado para a cultura de pronto socorro. Tudo leva-se ao pronto socorro. Acabou o consultorio e pq? Pois o plano de saúde paga uma miséria, impossivel de pagar um consultorio e ter lucro. Estão vendo onde está o problema? Agora, pelamor de Deus longe desses advogados de cadeia,erros medicos, não é para tanto.
 
Saul da silva xavier em 01/03/2013 15:36:31
Uma coisa é errar outra coisa é ser displicente. E esse aí ainda diz que medicos tb erram. Médicos tem as vidas das pessoas nas mãos, ganham muito acima da média para que se permita erros tão banais e evitáveis assim
 
Fabiano Pontes da Silva em 01/03/2013 15:15:43
A vítima ou representante pode buscar orientação, apoio, assessoramento gratuito na ASSOCIAÇÃO DE VÍTIMAS DE ERROS MÉDICOS MS com WALDEMAR, 9239-6530, 3662-1375, Rua Luís de Albuquerque, 70, Vila Sobrinho em Campo Grande. ongms.avem@yahoo.com.br
 
RAMON JOSE BRIZUENA ANIZ em 01/03/2013 14:32:02
Comigo aconteceu a mesma coisa. Meu filho ficou internado sem necessidade. O médico pediu um exame pela manhã e não voltou mais nem para ver o resultado.
O hospital da criança esta uma pouca vergonha.
 
marinez machado em 01/03/2013 14:12:58
Em relação a exames, posso afirmar que um bom médico não precisa relamente de rx para diagnostico de sinusite, aliás hoje estamos na era de exames para tudo não valorizando o paciente. O médico não errou neste ponto. Talvez a criança apresentasse alguma secreção em vias aéres que justificasse a entrada de antibióticos sem exames perfeitamente explicavel e correto. Porém se não havia secreção e foi prescrito antibiotico possa haver alguma falha. Porém devemos ter cuidado com a medicina de pronto socorro atual onde esuqece-se do medico de consultorio e tudo leva-se em Pronto atendimento, exceto finais de semana e a noite logico. E o presidente do hospital deveria proteger mais sua equipe dizendo que iria apurar o caso ouvindo o medico também. Quis sair -se bem e pegou mal.
Mal Dr Bene...
 
marcos pereira salgado em 01/03/2013 14:06:16
Lamentável...isso não é erro como afirma o diretor do hospital, isso é NEGLIGÊNCIA, IRRESPONSABILIDADE! Pelo jeito o despreparo não é apenas na falta de ação, mas também nas interpretações e compreensão do papel do profissional da saúde na vida do ser humano, que deveria somar conhecimento, bom senso e acima de tudo RESPONSABILIDADE SOCIAL...Lamentável....
 
Patricia Alves Carvalho em 01/03/2013 13:11:13
Isso ae, boa iniciativa da raquel, com saúde não se brinca!!
 
Suelen Borges em 01/03/2013 12:46:17
Por isso que quando a gente fala que a saúde é um problema que chega em todas as esferas: pública e particular. E mais: minha filha teve dengue aos 7 meses e teve diagnóstico rápido e tratamento excelente nos postos de saúde do Coronel Antonino e 26 de agosto. Isso foi em 2010, hoje, não sei como está, mas naquela época foi essencial pra saúde da minha filha.
 
Hellen Christine Oliveira Quida em 01/03/2013 11:42:04
As vezes pensamos que médicos particulares são mais atenciosos e criteriosos, o que vemos não é isso, se a mãe tivesse levado no posto teriam ouvido as queixas e não descartariam a dengue como fez essa médica.Essa médica tem que rever seu procedimentos urgente,antes que mate alguém.
 
Marcia França em 01/03/2013 11:40:08
Sinceramente...Que falta de atenção desses médicos!!!
 
Gilson de Oliveira Cano em 01/03/2013 11:39:20
Situações como esta mostram a calamidade que está a saúde, seja na rede pública ou particular! Muitos médicos (a maioria formado por Universidades Federais, com dinheiro público), sequer olham na cara dos pacientes, receitam medicamentos errados e, quando não causam mortes, causam transtornos absurdos como este! Eu mesma, na rede pública já fui tratada com antibiótico para garganta quando tinha uma infecção urinária, que consequentemente afetou meus rins, causando 7 dias de internação e 21 dias de afastamento do trabalho. Esses são apenas alguns exemplos, fora os que nunca chegam ao conhecimento da sociedade!
 
Thayara Barboza em 01/03/2013 11:36:50
Realmente Sr. Anache, todos erramos, mais apenas os médicos enterram seus erros...
 
Augusto José Meira em 01/03/2013 10:55:26
Passei por um caso semelhante em 2010. Minha filha ficou 3 dias sem nenhum diagnóstico, apenas com "suspeita de meningite". Foi após a internação que descobri que o médico que a atendeu no plantão da noite não era responsável pelo caso, e sim o pediatra dela, que estava em viagem. Depois de questionar que ela estava há mais de 24 horas sem o médico que fiquei sabendo. Ela ficou recebendo apenas soro. No momento da consulta comentei com o médico que ela tinha sinusite, em nenhum momento ele me ouviu. Pedi que fizessem uma radiografia de seio de face, ele riu e perguntou se eu era médica. Como não melhorava marcaram uma punção lombar, que não foi feita.Depois de 3 dias quando o médico dela chegou, pediu a radiografia (feita errada de tórax e refeita) e confirmou o diagnóstico.Não volto mais.
 
Adriana Loureiro Klein em 01/03/2013 10:46:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions