A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

02/09/2015 13:11

Ministro diz que governo federal não aceitará violência em área de conflito

Flávia Lima
Reuniões para discutir conflitos prosseguem à tarde. (Foto:Divulgação)Reuniões para discutir conflitos prosseguem à tarde. (Foto:Divulgação)

Durante reunião na manhã desta quarta-feira (2) com o governador Reinaldo Azambuja, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ressaltou que o governo federal não vai tolerar a incitação a violência nas áreas de conflitos indígenas de Mato Grosso do Sul.

“Não aceitaremos incitação a violência, seja de qualquer parte. E não toleraremos desrespeito a ordem pública em hipótese alguma. O que eu faço é um apelo pela mediação, com a presença das partes envolvidas, governo estadual e federal, Funai, Advocacia Geral da União (AGU), Ministério Público federal (MPF) e judiciário”, declarou o ministro.

As reuniões para tratar de uma solução para o conflito entre indígenas e produtores rurais tiveram início às 10h30 e seguirão no período da tarde. O governador Reinaldo Azambuja considerou providencial a vinda do ministro e aposta no diálogo para efetivar o fim dos conflitos. 

 

"É possível construir uma solução com a presença dos entes presentes, mais Ministério Público e CNJ, já que as questões das demarcações estão judicializadas", destacou.

 

O procurador da República, Ricardo Pael Ardenghi, disse que a situação em Antônio João desperta apreensão e o clima de paz propagado nas últimas horas não correspondem com a realidade local. "Os fazendeiros estão enclausurados nas sedes das propriedades e os indígenas impedidos de entrar na cidade. Um verdadeiro clima de terrorismo. A instalação de um clima de paz é o primeiro passo para que possamos começar a negociar”, avaliou o procurador.

O conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Emmanoel Campelo, também aposta na mediação como único instrumento capaz de oferecer uma solução definitiva a situação.

A disputa pela posse de propriedades rurais na região de Antônio João culminou semana passada, com a morte do indígena Simião Fernandes Vilhalva. O diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, que participa das reuniões, garantiu que a investigação para apurar a morte do indígena já está em andamento. 

 

 



Quanta reunião, sabem o que estão discutindo nesta reunião? "A data da próxima reunião!"
Esse ministro mentiroso se reuniu com um Governo de promessas, ou vocês não se recordam das promessas desse Governo sobre Segurança?
Mentiroso, mentiroso, mentiroso... e mentiroso.
 
TOYOSHI SATO em 02/09/2015 13:59:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions