A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

24/05/2018 15:44

No Morro do Mandela, o protesto é para que Maria tenha um velório digno

Familiares e moradores atearam fogo em madeira bloqueando ruas de acesso a favela devido a demora de 6h em remover o corpo da mulher

Guilherme Henri e Izabela Sanchez
Familiares e moradores atearam fogo em madeira para bloquear rua de acesso ao morro (Foto: Paulo Francis)Familiares e moradores atearam fogo em madeira para bloquear rua de acesso ao morro (Foto: Paulo Francis)

Enquanto envolvidos com o transporte brigam pela redução do preço dos combustíveis e motoristas se desesperam para abastecer os carros para não ficarem a pé, no Morro do Mandela, a família de Maria Jussara Marcondes, 50 anos, só quer um velório digno para a mulher. O corpo dela, ficou mais de 6h em casa à espera da chegada da funerária.

Maria Jussara morreu na manhã de hoje (24) no barraquinho dela, depois de brigar com um dos quatro filhos, segundo o relato contado no lugar. Conforme familiares, além de sofrer problemas psiquiátricos, o rapaz também seria dependente químico.

Revoltados com a demora em remover o corpo, familiares resolveram bloquear ruas de acesso a favela, para chamar a atenção de qualquer um que poderia resolver a situação. Para isso, atearam fogo em pedaços de madeira, porém os ânimos foram acalmados com a chegada do carro fúnebre no lugar.

Entrada de barraquinho onde Maria morava (Foto: Paulo Francis)Entrada de barraquinho onde Maria morava (Foto: Paulo Francis)
Cantinho onde Maria cozinha para os quatro filhos (Foto: Paulo Francis)Cantinho onde Maria cozinha para os quatro filhos (Foto: Paulo Francis)

Para a maioria, este momento é de mais tristeza, mas para os familiares de Maria o que imperou foi alívio. A princípio, conforme nora da mulher, de 19 anos, um desencontro de informações entre prefeitura, IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) e funerária teria provocado a demora.

A jovem conta que todos no bairro sabiam dos conflitos entre mãe e filho. No entanto, a discussão de ontem à noite acabou levando a mulher a buscar atendimento no posto de saúde do bairro Nova Bahia. Medicada, Maria recebeu alta nesta manhã, porém morreu horas depois. A principal suspeita da família é de que ela enfartou.

“Cheguei e ela [Maria] estava morta. Foi desgosto porque meu irmão tem problema com drogas”, desabafa um dos filhos, José Irineu, 31 anos.

O marido, Oseias Corrêa, 40 anos, conta que ficou ao lado de Maria a noite toda no posto e garante que ela “passou muito nervoso”.

Objetivo foi o de chamar a atenção pela demora em buscar o corpo de Maria (Foto: Paulo Francis)Objetivo foi o de chamar a atenção pela demora em buscar o corpo de Maria (Foto: Paulo Francis)

Ao ver o corpo sem vida, os familiares chamaram os bombeiros. Por volta das 9h, o serviço póstumo foi acionado. “As condições são muito precárias. Do atendimento médico até na hora da morte só foi descaso. A sensação é de que não existimos”, diz a nora da mulher, que não quis se identificar.

O corpo de Maria foi levado para o IMOL onde exames apontarão a real causa da morte dela. Enquanto isso, familiares afirmam que “continuam na correria” para conseguir enterrar a mulher, já que falta recursos e até mesmo informações para os familiares.

Quarto onde filho de Maria repousa (Foto: Paulo Francis)Quarto onde filho de Maria repousa (Foto: Paulo Francis)


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions