ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Paciente com covid acusa enfermeiro de estupro

Homem teria usado "óleo de girassol" para abusar da vítima

Adriano Fernandes | 04/02/2021 20:48
Hospital Regional de Campo Grande. (Foto: Divulgação)
Hospital Regional de Campo Grande. (Foto: Divulgação)

Uma paciente, de 36 anos, diz ter sido estuprada por um enfermeiro do Hospital Regional, na madrugada desta quinta-feira (4), em Campo Grande. O caso já está sob investigação da Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher).

Segundo a mãe da vítima, uma acadêmica de direito, de 56 anos, que pediu para não ter a identidade divulgada, a filha está internada em tratamento contra a covid-19 no hospital desde segunda-feira (1º). A filha é assistente em escritório, está bastante debilitada e respira com a ajuda de máscara de oxigênio, relata a mãe. O abuso teria ocorrido por volta das 3h de hoje.

Depois de ter passado mal durante a noite, tendo vômito e falta de ar, a paciente notou quando o profissional de enfermagem começou ir ao quarto dela, durante a madrugada, e passou a apertá-la e passar a mão em seu corpo. Em determinado momento o suspeito retornou ao leito com “óleo de girassol”, passou no dedos e começou a abusar da vítima.

Mesmo debilitada, a paciente diz ter tentado resistir ao abuso como pôde, pedindo para o homem parar e sair de cima dela, mas ele insistia em passar a mão na virilha da paciente enquanto pedia para ela “abrir as pernas”. O homem repetia que queria masturbar a paciente e que não era para ela resistir, se não poderia "dar problema para ele".

A mãe da assistente ficou sabendo do abuso logo pela manhã. “Eu liguei para ela por volta das 5h30. Ela já não estava bem desde o dia da internação, mas percebi que tinha alguma coisa a mais acontecendo”, comenta. A mãe relata que a filha estava em estado de choque e não conseguia expressar o que estava acontecendo.

Só depois de muita insistência é que a paciente tomou coragem de admitir que tinha uma denúncia para fazer contra o hospital. Segundo a mãe o abuso foi relatado à chefia de enfermagem do hospital, que se comprometeu a dar todo o apoio a família.

“Eles disseram que iam dispor de uma psicóloga para minha filha e transferi-la de quarto, mas eu também fui à delegacia. Passei a manhã toda na Deam”, conta. O boletim de estupro de vulnerável foi registrado pela mãe, já que a filha não pode deixar o hospital, mas a vítima também encaminhou áudio à polícia em que detalha o abuso.

A mulher conta que após a denúncia teria sido informada pelo hospital de que o funcionário teria sido afastado das suas funções. Nesta tarde, ainda conforme a mãe da assistente, o hospital teria pedido para que ela retornasse ao hospital para ficar com a filha. No entanto, ao chegar na unidade de saúde, não encontrou a filha no quarto indicado.

“A equipe que tinha assumido o expediente não sabia onde estava a minha filha. Entrei em desespero. Minha filha sofreu um estupro dentro desse hospital, como ficam mandando ela de um lado para o outro e não sabiam informar onde ela estava?”, desabafa.

Depois da procura, a mãe, enfim, encontrou a filha, ainda muito fraca em um andar diferente do quarto onde ocorreu o abuso. “Ela não consegue falar direito, está perturbada, não consegue nem dormir por conta do que ocorreu nessa madrugada”, diz aos prantos.

O quadro clínico da paciente ainda inspira cuidados. Nesta noite, a assistente deve passar por um procedimento que vai tentar reverter a necessidade dela ser entubada por conta da covid-19.

O hospital – A unidade de saúde não confirmou o afastamento do enfermeiro. Procurado pela reportagem o hospital informou, via assessoria de imprensa, que encaminhou a denuncia à diretoria do HR e deve se posicionar sobre o caso nesta sexta-feira (5).

Nos siga no Google Notícias