A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

27/04/2011 21:03

Pacientes esperam por atendimento e alegam que médicos estavam vendo futebol

Viviane Oliveira

Reforço da Guarda Municipal chegou a ser pedido para garantir segurança dos profissionais no posto de saúde

Pacientes relatam o tempo da demora para receberem atendimento. (Foto: João Garrigó)Pacientes relatam o tempo da demora para receberem atendimento. (Foto: João Garrigó)

Espera no atendimento e falta de médicos não é novidade nos postos de saúde da Capital. Nesta tarde, o Campo Grande News percorreu duas unidades de saúde, dos bairros Coronel Antonino e Vila Almeida. No primeiro local a reclamação era o tempo que levava para o atendimento. Os pacientes chegaram a falar que por causa de um jogo de futebol, semifinal da Liga dos Campeões, os médicos deixaram de trabalhar.

As pessoas que aguardavam por atendimento afirmaram que os médicos estavam assistindo a partida e que só começaram a atender quando a imprensa apareceu.

“Não existem médicos, você vê os corredores vazios. Sem ninguém. Deve estar vendo o jogo mesmo”, conta a dona-de-casa Lara Simões, 23 anos. Ela fala que está acompanhando um idoso que foi atendido pela manhã. “Colocaram uma sonda nele e mandaram de volta para casa. Daí ele engasgou, a sonda enrolou. E eu trouxe de volta. Agora está aí”, revela.

“Parece que a gente tem que morrer para ser atendido, eles falam que é uma ficha por dia, se você voltar passando mal, ninguém vai te examinar”, completa.

Os pacientes também disseram que o local parece não ter gerência. “Você entra, pergunta por quem comanda ali e não tem a resposta”, contam.

A mãe de Elias Carlos, 37 anos só foi atendida depois de desmaiar na recepção da unidade. “Ela estava muito fraca, e esperando desde 8 horas da manhã. Quando ela caiu é que foram dar atendimento”, comenta.

O tempo de espera fez com que os ânimos se exaltassem e o posto de saúde acionasse a Guarda Municipal. No momento em que o Campo Grande News passou pelo local, havia cinco guardar para reforçar a segurança.

No posto de saúde do bairro Vila Almeida a situação parecia estar tranquila, mas apenas dois médicos faziam o atendimento. (Foto: João Garrigó)No posto de saúde do bairro Vila Almeida a situação parecia estar tranquila, mas apenas dois médicos faziam o atendimento. (Foto: João Garrigó)

Um paciente que não quis se identificar acredita que o problema seja bem maior que médicos, funcionários e enfermeiro. “Vem de cima, é coisa da prefeitura e do alto escalão”, afirma.

Dos quatro médicos previstos para comparecer a unidade, apenas três estavam de serviço.

A doméstica Aparecida Rodrigues da Silva, 43 anos conta ainda a peregrinação nos postos de saúde. “Minha filha está aí no carro com febre, dor de cabeça. Já levamos no Nova Bahia e lá não tinha médico. Manda a gente para cá, chega aqui não tem pediatra e agora?”, questiona.

Dentro da unidade de saúde tivemos a informação de que pacientes do posto de saúde do Vila Almeida estavam sendo “mandados” para a unidade e ainda que no Nova Bahia “não havia médico, como de costume”.

Já no posto de saúde do Vila Almeida, a fila de espera era para a especialidade de pediatria. A população ainda aguardava com tranquilidade. Enquanto a repórter do Campo Grande News perguntava do número de médicos atendendo durante a tarde no posto, uma mãe com um filho de colo se aproximou e disse que estava esperando desde às 13 horas, e o relógio já passava das 18 horas.

Na unidade dos cinco médicos previstos, apenas dois realizavam o atendimento.

Do lado de fora da unidade, a dona-de-casa Regina Faria, 41 anos, aguardava a sobrinha que recém havia chegado.

“Do Serradinho mandaram a gente para cá. Ela foi direto para sala de consulta, mas vai saber que horas ela sai daqui. Esses dias mesmo eu vim e fiquei sabendo que tinha só um médico. Resolvi voltar para trás”, diz.

Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


Verdade isso heim...Cheguei la ruim tambem as 13:30 e fui atendida somente as 19hs. Uma verdadeira falta de consideração por parte de ambos, pois perguntei varias vezes aos enfermeiros e eles garantiram que tinha médico atendendo!
Mais esse é o nosso estado né?! Quem tinha que passar mal e ter que passar por lá seria o nosso querido prefeito! Só assim pra sentir na pele o que a gente sente e tem que passar quase que sempre né!
 
Talita Avanci em 29/04/2011 09:31:01
Alguem já parou para o absurdo de gastos com os cofres publicos nas trocas de mandatos! Tanto o Prefeito quanto o Governo muda as cores que eles querem (laranja com azul, azul com vermelho, isso acontecem com os uniformes principalmente no muni- cipio, e os predios das escolas e posto de sauúde) que vergonha! Deveria priorizar as cores das Bandeiras do Municio e do Estado, ai não jogavam tanto dinheiro fora. Tai os nossos imposto tão caros, subindo até 100% e o caso do meu, hoje nos não podemos ter nem uma casa num lugar descente pois não conseguimos parar o IPTU, ou seja temos que morar em um barraco ou em um lugar muito longe, onde não tem nenhuma infra-estrutura, ai do caus da saúde publica.
 
Marli P. Silva em 28/04/2011 09:31:53
È calamitosa a maneira como a população é tratada nos centros de saúde.
dia desses acompanhei uma senhora que precisou de atendimento no posto da Vila Almeida (diga-se de passagem o pior) me dirigi até o bebedouro e cadê os copos descartáveis? estavam em falta. por que a vigilancia sanitária não fiscaliza os postos? mas nas clinicas particulares é bem rigorosa, exigindo coisas ...mudanças, placas de proibido fumar calçadas de acessibilidade enquanto que quem deve fazer para poder exigir não faz.
 
Neilane Maria Schio em 28/04/2011 09:09:30
Gente. fica a dica, a prefeitura está combatendo o comportamento desses profissionais, basta ligar na Ouvidoria da Sesau 3314-9955 as meninas que atendem lá são fera e ninguém sai sem resposta!!!
 
Rosane Azevedo Lins em 28/04/2011 05:26:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions