ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Plano de reestruturação da Santa Casa prevê demissão em massa

Prognóstico da consultoria Falconi mostra que a intenção até dezembro deste ano era enxugar 615 funcionários

Lucia Morel | 28/12/2021 12:09
Durante o ano, o hospital enfrentou paralisações e protestos de funcinários por atraso de pagamento. (Foto: Henrique Kawaminami)
Durante o ano, o hospital enfrentou paralisações e protestos de funcinários por atraso de pagamento. (Foto: Henrique Kawaminami)

Plano de reestruturação da Santa Casa de Campo Grande prevê demissão em massa de funcionários para economia de até R$ 4 milhões ao mês no pagamento de salários. Prognóstico feito pela consultoria Falconi mostra que a intenção até setembro deste ano era enxugar 303 pessoas, chegando a 615 até dezembro.

O impasse para tal é o valor das rescisões, que chegaria a R$ 15 milhões, valor necessário para ser ter em caixa e honrar as demissões conforme as leis trabalhistas. A reportagem entrou em contato com o hospital para saber quantas baixas ocorreram no período e se foi possível seguir o plano, mas não obteve resposta até o fechamento deste material.

O Plano de Reestruturação foi elaborado em julho deste ano e previa redução de 615 funcionários, saindo de 3.615, entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e outras áreas da saúde, além de trabalhadores dos setores administrativos. A intenção, no entanto, é chegar a um quadro de pessoal semelhante ao encontrado em 2017, quando o hospital atuava com cerca de 2,8 mil empregados.

“Revisão das estruturas. Eliminação de todas funções com baixa/nenhuma relação com a prestação de saúde. Redimensionamento de equipes de trabalho para mínimo quantitativo necessário (Enfermagem, Apoio e Administrativo)”, orienta a consultoria em trecho do relatório como forma de cortar gastos.

Outros cortes aconselhados são na revisão de compra de materiais e medicamentos, com avaliação de desperdícios e descontroles, bem como a redução da estrutura física para diminuição de gastos de energia, água, limpeza e ainda, “suspensão de todos os serviços de terceiros que não tenham relação com a prestação de saúde ou mitiguem riscos ao negócio”.

Projeção de demissões na Santa Casa. (Foto: Reprodução Plano de Reestruturação)
Projeção de demissões na Santa Casa. (Foto: Reprodução Plano de Reestruturação)

A previsão em setembro era da demissão de 124 funcionários da área administrativa; 110 do grupo de apoio; 30 de farmácia e 39 da área de fisioterapia.

Tal reestruturação leva em conta as dificuldades financeiras do hospital, que em média, tem um déficit mensal de R$ 10 milhões. Em maio deste ano, conforme detalhado pela Falconi, chegava a total de R$ 385 milhões. Valor que soma empréstimos bancários, impostos e fornecedores não pagos, além de dívidas trabalhistas.

Pandemia – A consultoria analisou também a atuação do hospital durante a pandemia do novo coronavírus, período em que a unidade hospitalar precisou incrementar o quadro de pessoal para dar conta da demanda. Também houve aumento de gastos, principalmente diante do encarecimento no valor dos insumos e produtos médicos necessários.

Os repasses do SUS (Sistema Único de Saúde) à Santa Casa são de R$ 286,4 milhões ao ano, chegando à R$ 23,8 milhões ao mês. Parte desse dinheiro, R$ 232,4 milhões são de recursos fixos e o restante, de valores que variam conforme a produção.

Nos siga no Google Notícias