A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

20/03/2013 10:41

Polícia investiga mandante de sequestro e roubo de caminhão guindaste

Mariana Lopes e Luciana Brazil
Integrantes da quadrilha foram presos ontem (Foto: Marcos Ermínio)Integrantes da quadrilha foram presos ontem (Foto: Marcos Ermínio)
Caminhão guindaste roubado ontem (Foto: Marcos Ermínio)Caminhão guindaste roubado ontem (Foto: Marcos Ermínio)

Depois de prender 6 integrantes da quadrilha que sequestrou o motorista Alcimar Benites, 28 anos, e roubou um caminhão guindaste na manhã de ontem, agora a Polícia Civil investiga o mandante do crime.

De acordo com o delegado adjunto da Defurv (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos), João Reis Belo, a polícia descobriu que ainda havia uma sétima pessoa envolvida após contato feito pelo telefone de Gabriel Machado Belga, de 18 anos, que mantinha a vítima em cativeiro.

Na delegacia, já com os 6 presos, o telefone de Gabriel não parava de tocar e o delegado o obrigou a atender. Do outro lado da linha, era o mandante do sequestro e do roubo, que passou as orientações ao comparsa.

“Ele disse que não estava conseguindo falar com os dois que tinham roubado o caminhão, e mandou o Gabriel amarrar bem a vítima e encontrar o Higor na praça do bairro José Abrão”, conta o delegado.

Na praça, a polícia prendeu Higor Gonçalves Echeverria, 27 anos. Também foram presos Brendon da Silva Martins, 20 anos, que dirigia o caminhão, e Yago Alisson Corrêa da Costa, 18 anos.

Com a prisão deles, a polícia chegou ao cativeiro onde a quadrilha mantinha a vítima amarrada, em um matagal próximo ao Detran, na saída para Rochedo. No local, foi preso o Gabriel e apreendidos dois adolescentes, um de 15 e outro de 17 anos.

A vítima ficou amarrada pelos pés e pelas mãos por cerca de 5 horas. Alcimar disse à polícia que não foi ameaçado e não sofreu agressão. Com os bandidos foram encontrados seis aparelhos celulares, que serão periciados.

Segundo o delegado, o caminhão foi avaliado em R$ 1 milhão e seria levado para o Paraguai, embora os integrantes da quadrilha tenham afirmado que o destino era Maracajú.

Para o delegado João Reis Belo, há dois fatores no crime que impressionam. O primeiro é a pouca idade dos envolvidos e também o roubo inusitado de um caminhão guindaste, que não é um veículo visado para levar para fora do país. Diante disso, o delegado aposta que o roubo foi encomendado.

Todos serão indiciados por formação de quadrilha, roubo qualificado por emprego de arma e concurso de pessoa, corrupção de menores, sequestro em cárcere privado e transporte de veículos para outros países ou estados.

Segundo o delegado, a maioria da quadrilha não tem antecedentes criminais. “O que não significa que os integrantes nunca tenham cometido nenhum delito”, pontua João Reis Belo.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions