A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

06/08/2013 08:19

STJ nega pedido para levar policiais acusados no Caso Motel a júri popular

Aline dos Santos

Ocorrido há 8 anos em Campo Grande e conhecido como o “Caso Motel”, o assassinato do estudante Murilo Boarin Alcalde e da garota de programa Eliane Ortiz teve mais um capítulo na Justiça.

O ministro Sebastião Reis Júnior, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), não acolheu recurso do MPE (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), que pretendia levar a júri popular três acusados pelo duplo homicídio: Getúlio Morelli dos Santos, Adriano de Araújo Mello e Írio Vilmar Rodrigues.

Getúlio e Adriano são policiais militares. Írio é acusado de ser traficante. Também foi denunciado Ronaldo Villas Boas Ferreira, que inicialmente era apontado como matador de aluguel, mas na fase de alegações finais do MPE foi considerado inocente.

O Ministério Público entrou com recurso especial contra decisão do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), que não pronunciou os acusados em relação à suposta prática de homicídio qualificado (mediante paga, motivo torpe, asfixia, recurso que dificultou a defesa da vítima e intenção de garantir a impunidade de outro crime).

No recurso, o MPE alegou a existência de provas suficientes que atestam a autoria e que, nos casos de homicídio, o juízo natural e competente é o tribunal do júri.

O Tribunal de Justiça não admitiu que o recurso especial subisse ao STJ, o que levou o MPE a entrar com agravo contra essa decisão. O objetivo do agravo era reformar o despacho que não admitiu o recurso, para que o mérito da controvérsia fosse analisado na instância superior.

O ministro Sebastião Reis Júnior destacou que o TJ/MS, ao não pronunciar os réus, examinou depoimentos e material fático-probatório extenso, confirmando, de forma unânime, a sentença do juízo da 1ª Vara dos Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri da comarca de Campo Grande, no sentido de não haver no processo indícios suficientes para submeter os denunciados ao tribunal do júri.

O casal foi encontrado morto em um quarto do Motel Chega Mais, no dia 21 de junho de 2005. As suspeitas eram de que Murilo e Eliane, ambos de 21 anos, foram assassinados em outro local e “desovados” no motel. Para o Ministério Público, o duplo assassinato estaria ligado ao tráfico de drogas.

Caso Motel: MPE recorre a STJ e STF contra absolvições
O MPE (Ministério Público Estadual) entrou hoje com recursos ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a sente...
TJ rejeita o recurso do MPE para reabrir o Caso Motel
Por unanimidade, a 2ª Turma Criminal do TJ(Tribunal de Justiça) de Mato Grosso do Sul rejeitou ontem recurso do Ministério Público Estadual contra a ...
MPE contesta decisão do TJ em arquivar Caso Motel
Na tarde desta terça-feira, o MPE (Ministério Público Estadual) divulgou nota sobre a decisão da 2ª Turma Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de M...
TJ mantém sentença que inocentou réus do Caso Motel
Naufragou mais uma vez a tentativa do MPE (Ministério Público Estadual) de levar ao banco dos réus os quatro homens apontados como autores do assassi...


Mais uma vez foi mostrado que o Ministério Publico não tem competência nenhuma em investigação. Principalmente o promotor que conduziu esse caso... Alem dele, algumas outras pessoas que conduziram o caso são todos amadores... Sinto muito pela familía dos dois jovens, mais ninguém tem que pagar pelos erros dos outros, e sim é que a verdadeira justiça esta sendo feita aos acusados. Justiça essa que foi unanimidade em todas as estancias... Colocar testemunha falsa e conduzir uma investigação errada deu no que deu... Acho uma pouca vergonha o que fizeram com gente inocente... Falei.
 
anete kerulim aguirra em 06/08/2013 18:03:06
Realmente tem alguém que comanda o que e quem por trás disso, porque já sumiram provas, foi trocado delegado e etc. O que mais nós enoja é que todo mundo sabe o que aconteceu, somente não têm uma pessoa de coragem e compaixão para com as famílias para fazer justiça.
 
cristiana rosa em 06/08/2013 16:11:58

Todos sabemos que não existem crimes perfeitos.
O que sabemos é que sempre há omissão dos verdadeiros culpados!.
 
Ana Costa em 06/08/2013 15:28:28
Parece que tem gente grande envolvida, ou alguém muito conhecido deles...
 
jorge miranda em 06/08/2013 13:03:09
Graças a Deus se Fez justiça no julgamento desses policiais que comprovadamente não estava na cena do crime.
Atendendo os Interesses de quem? o Ministerio Publico insiste no julgamento desse inocentes. Todos nessa cidade sabem que existem outras pessoas que são responsáveis por esses crime. Pessoas da alta sociedade.
Mas uma vez fica provado que o ministério publico não advoga a favor da população, mas sim de interesses próprios, isso é uma Vergonha
 
Rodrigo Dias Vilela em 06/08/2013 13:00:57
issa justiça e bricadeira...só falta falar que os mortos são os culpados...por tudo isso
quanto os verdadeiros culpados estão soltos....como pode um clime de 2005 e até
agora nada resolvido...pena que nossa justiça e uma merda...que vai acabar culpando os
mortos....pura piada...dessa justiça lerda
 
antonio avelino em 06/08/2013 12:43:58
Porque será toda essa enrolação????
O caso é antigo, mas não deve ficar impune. Afinal, os familiares ainda sofrem a perda de seus entes queridos, que se foram de forma tão tragíca e covarde.
A população, não esqueceu do caso, nem dos possíveis cartolões envolvidos.
 
Juan Charlymoon em 06/08/2013 11:20:29
SINTO MUITO PELA DOR DA MINHA AMIGA BETE MÃE DO MURILO. PELO QUE LEMOS NA MÍDIA A MOÇA PODE SER QUE SOUBESSE DA SITUAÇÃO QUE MOTIVOU O CRIME , MAS O MURILO TEMOS CERTEZA QUE MORREU INOCENTE E ISSO DÓI MUITO PORQUE QDO A PESSOA SABE DA SITUAÇÃO E NÃO SE CUIDA E OUTRA COISA ,MAS O MURILO ERA INOCENTE. DEUS HÁ DE FAZER A JUSTIÇA.
 
ERONILDES OLIVEIRA em 06/08/2013 11:08:26
Um caso antigo e polemico como este não tem porque não ir a juri popular, deixa o povo decidir um pouco também sr. Ministro.
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 06/08/2013 10:10:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions