ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Capital

TJ investiga servidores que acumulam mandados

Seis funcionários do Judiciário que atuam em Campo Grande passam por processo administrativo

Por Maristela Brunetto | 16/02/2024 10:10

Diretora do Forum deteminou instauração de processo contra servidores que acumulavam mandados judiciais não entregues (Foto: Arquivo)
Diretora do Forum deteminou instauração de processo contra servidores que acumulavam mandados judiciais não entregues (Foto: Arquivo)

O Poder Judiciário instaurou procedimento administrativo disciplinar contra seis oficiais de Justiça lotados no Fórum de Campo Grande por terem acumulado centenas de mandados sem a devida entrega. O procedimento vai ser conduzido pela juíza diretora do Forum, juíza Joseliza Alessandra Vanzela Turine, com a participação de dois servidores.

Conforme publicações feitas no Diário da Justiça e assinadas pela magistrada, houve um mutirão com quatro meses de duração para acelerar a distribuição de documentos acumulados na Central de Mandados e, finalizado o prazo, ainda havia muitos não entregues às partes integrantes dos processos. Os mandados são documentos essenciais para comunicar às pessoas sobre audiências e andamentos processuais.

Quando não chegam ao destino em tempo hábil, pode atrasar a realização de um ato, ou mesmo uma audiência, retardando  as decisões. No caso da primeira participação em um processo da área cível, por exemplo, para tentativa de conciliação, o réu deve tomar conhecimento pelo menos 20 dias antes.

O Código de Processo Civil também define que quando não for apontado prazo pelo juiz, a obrigação de comparecimento deve chegar pelo menos 48 horas antes ou cinco dias quando se tratar para a prática de algum ato em um processo.

Na instauração dos processos administrativos, as portarias apontam a situação de cada servidor. Os nomes não são revelados e o texto da magistrada aponta que as apurações correrão em segredo de justiça. A situação mais grave é de um analista do Judiciário que terminou o mutirão com 439 mandados não entregues.  Nesse período, as pessoas que tinham mandados acumulados, não receberam novos e tinham a meta de acelerar entregas no período de 45 dias. Este servidor começou o mutirão com 879 mandados pendentes.

Outro funcionário público começou o mutirão com 1008 mandados a serem entregues. No primeiro mês, conseguiu liberar 334, em dezembro foram mais 233 e, este mês, quando houve a decisão de instauração de PAD, ainda havia 387 mandados pendentes.

Os outros quatro servidores que terão que explicar a demora tinham no começo do mês 240, 153, 88 e 106 mandados pendentes de entrega. Quando o mutirão começou, as seis pessoas tinham, juntas, 3.453 mandados a entregar, segundo dados contidos nas portarias.

O texto apontou que se tratava de atrasos não justificados e que os servidores foram “repetidamente intimados” sobre a situação, por isso a instauração dos PADs. Os servidores têm prazo de cinco dias para apresentar esclarecimentos.

O TJMS em mais de uma ocasião designou servidores concursados para atuação na Central de Mandados, que coordena a distribuição dos documentos para entrega para as partes envolvidas em processos.

A reportagem tentou contato com o Judiciário para obter detalhes sobre o efetivo envolvido com a entrega de mandados. Havendo repasse de informações, serão acrescentadas ao texto.

Otimização - Para a Associação dos Analistas Judiciais para Atividades Fim de Serviço externo, os colegas podem acabar voltando a atuar em serviços administrativos e outros serão designados. A tarefa de entregar mandados exige flexibilidade de horários e muitas vezes situações de tensão, como na entrega de mandados da área criminal, fazendo com que muitos não se adaptem. Muitos mandados são relacionados a processos relacionados à Lei Maria da Penha.

A reportagem apurou que, diante da possibilidade de recebimento de adicionais pela produtividade, servidores acabam se habilitando, como uma promoção, mas com as dificuldades próprias do trabalho, precisam ser reacomodados.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Texto editado para acréscimo de informações.

Nos siga no Google Notícias