ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  27    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Toque de recolher já fez efeito, diz prefeito após cobrança de mais restrições

Para Marquinhos Trad, aglomerações em festas são responsáveis por novo pico da covid-19

Por Anahi Zurutuza | 01/12/2020 10:35
Em pé, o secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, mostrando dados da covid em Campo Grande para o prefeito Marquinhos Trad, na semana passada (Foto: Kísie Ainoã)
Em pé, o secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, mostrando dados da covid em Campo Grande para o prefeito Marquinhos Trad, na semana passada (Foto: Kísie Ainoã)

Cobrado por diversos setores para que imponha mais restrições como forma de controlar a nova onda da covid-19 em Campo Grande e não penalize somente quem trabalha com a vida noturna da cidade, o prefeito Marquinhos Trad (PSD) voltou a dizer que, por enquanto, a situação está controlada. O chefe do Executivo municipal explica que o toque de recolher já surtiu efeito.

“Estamos expandindo a oferta de leitos, neste momento, sem fazer mais restrições. Além do que, o tempo de permanência de leitos diminuiu, com 4 a 7 dias o paciente já está saindo. A taxa de mortalidade ainda não aumentou e isso tudo demonstra que quem está sendo internado, é de faixa etária menor”, explicou.

Embora ontem o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul tenha noticiado que a lotação dos leitos para pacientes em situação crítica chegou a 100% e levantamento feito pelo Campo Grande News, também nessa segunda-feira (30), mostre que restavam apenas 17 vagas em UTIs (Unidade de Tratamento Intensivo) na Capital, contando a oferta da rede pública e particular, Marquinhos afirma que tem monitorado a ocupação dos leitos. “Acabei de receber o boletim e estamos com ocupação de 78%. Ou seja, 22% ainda disponíveis”.

Cantada por cerca de 700 pessoas sem máscara e juntas, a música "Obrigado Deus", do MC Paulinho na festa "Baile do Mandrake" na sexta-feira passada, parece desafiar a covid-19 (Foto: Reprodução das redes sociais)
Cantada por cerca de 700 pessoas sem máscara e juntas, a música "Obrigado Deus", do MC Paulinho na festa "Baile do Mandrake" na sexta-feira passada, parece desafiar a covid-19 (Foto: Reprodução das redes sociais)

Toque de recolher - Para o prefeito, as aglomerações em festas, que ficaram mais frequentes depois das flexibilizações e declínio no número de casos da covid em Mato Grosso do Sul, são as grandes responsáveis pelo novo pico. Por isso, o toque de recolher é a maneira mais eficiente de frear essa onda.

“Todos os artigos com mais fundamento da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostram que esses picos são ocasionados em festas e recintos fechados. O transporte coletivo, por exemplo, não tem sido apontado, como era no início, como o causador do contágio, porque as pessoas ficam ali num curto espaço de tempo. É diferente de uma aglomeração em festa, onde as pessoas estão suando, bebendo um no copo do outro, fumando um o cigarro do outro, usando aquele narguilé e acima de tudo, sem o principal equipamento de proteção, que é a máscara”.

Nesse primeiro fim de semana do toque de recolher, a Guarda Municipal acabou festa para 350 pessoas, interrompeu baile funk com 100 pessoas e mandou para casa pelo menos 1 mil abordadas nas ruas da cidade durante o horário de vigência da medida restritiva.

Além disso, o Campo Grande News recebeu denúncia sobre show com MC Paulinho que reuniu 700 pessoas. Sem máscaras e “colados”, jovens cantavam letra de funk que diz “obrigada Deus pela saúde”.

Marquinhos afirma que apesar dos registros, o toque de recolher se mostrou eficiente. “Antes eram 10 festas daquelas, hoje tem 1 ou 2. Se todos estivessem obedecendo os decretos, não teríamos problemas”.

O prefeito afirma ainda que organizadores das baladas alegam não ter como controlar o público e exigir o uso de máscara o tempo todo, por exemplo. “Então não faça. Se pode comandar, quem tem controle”, afirma.

Por fim, Marquinhos afirma que o toque de recolher tem aprovação de 97% da população e que apesar da pressão para que o horário da restrição seja ampliado, o prefeito ainda não deve aumentar a vigência da obrigação de permanecer em casa – hoje, da meia-noite às 5h.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário