A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

18/12/2013 16:14

UFMS gasta R$ 1,5 milhão por mês, não põe fim ao clima de insegurança

Zana Zaidan

Os esforços da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para conter os registros de crimes dentro do campus de Campo Grande não diminuíram a insegurança dos estudantes. Mesmo com o investimento mensal de R$ 1,5 milhão para reforço na vigilância interna, andar em grupos e desviar de áreas desertas e com pouca iluminação ainda faz parte da rotina dos acadêmicos.

A instituição optou por cercar com grades toda a extensão do campus, além da implantação de guaritas com vigilantes terceirizados e instalação de câmeras e central de videomonitoramento – soluções aprovadas por parte dos alunos, mas que ainda são consideradas ineficazes.

 

 

Toda extensão do campus foi cercada; medida é aprovada por parte dos alunos, mas ainda não é considerada suficiente (Foto: Cléber Gellio)Toda extensão do campus foi cercada; medida é aprovada por parte dos alunos, mas ainda não é considerada suficiente (Foto: Cléber Gellio)

As medidas foram motivadas por um caso de violência sexual que aconteceu dentro do campus, em 2011. Uma estudante de Química foi estuprada em plena luz do dia, na ponte que dá acesso ao Lago do Amor. Menos de 24 horas depois, outro aluno foi baleado na perna ao reagir ao um assalto, desta vez próximo à piscina.

A ocorrência do estupro mudou a rotina de alunos e servidores. A Preae (Pró-Reitoria de Extensão Cultura e Assuntos Estudantis), após reunião com o Conselho de Segurança a universidade, recomendou a restrição nos horários de circulação em determinados pontos, a construção de postos de vigilância, o cercamento do campus, e o fechamento de atalhos –, a ponte que dá acesso ao Hospital Universitário, por exemplo, não pode ser utilizada.

Hoje, 12 câmeras monitoram a área externa do campus - para o ano que vem, a UFMS espera que o número atinja 100 – e 30 vigilantes circulam a pé, de carro ou moto, além de outros dois que ficam de plantão nas guaritas de segunda a sexta-feira, entre 6 da manhã meia-noite.

 

Só depois de caso de abuso sexual na ponte do Lago do Amor, UFMS adotou medidas de segurança. Hoje, o acesso é restrito e vigias fazem plantão (Foto: Marcos Ermínio)Só depois de caso de abuso sexual na ponte do Lago do Amor, UFMS adotou medidas de segurança. Hoje, o acesso é restrito e vigias fazem plantão (Foto: Marcos Ermínio)

No entanto, o aparato de segurança não foi suficiente para tornar a universidade um ambiente totalmente seguro, na percepção dos estudantes. “Para quem tem aulas que vão até depois das 22 horas é muito perigoso. A noite é um breu, e dá medo, ainda mais para a gente, que é mulher”, afirma Maria Eduarda Alves, 18 anos, do 2º semestre de Pedagogia.

O jeito é circular sempre em grupo, ou na base da carona. “Quando venho de carro, sempre dou carona para as meninas até o ponto de ônibus ou para ir de um departamento até outro. Não custa nada e é mais seguro”, conta Jéssica da Silva, do 3º ano de Biologia.

Outra solução foi implantar uma linha de ônibus interna, que circula das 6h às 22h45, de segunda a sexta-feira, e aos sábados, das 6h45 as 11h45 para transportar alunos às salas de aula.

 

Segurança é feita por vigias de carro e moto, além das câmeras de videomonitoramento (Foto: Cléber Gellio)Segurança é feita por vigias de carro e moto, além das câmeras de videomonitoramento (Foto: Cléber Gellio)
UFMS implantou linha de ônibus interna para evitar que estudantes percorram distâncias sozinhos e à pé (Foto: Zana Zaidan)UFMS implantou linha de ônibus interna para evitar que estudantes percorram distâncias sozinhos e à pé (Foto: Zana Zaidan)

“Sem tudo isso estava pior. Pode não ser o ideal, mas já é um primeiro passo, e a gente espera que melhore”, acrescenta Jéssica.

Um dos vigilantes da UFMS, que preferiu não se identificar, reforça a tese de que os acadêmicos passaram a se sentir mais protegidos. “Qualquer coisa que aconteça, os alunos vêm correndo até nós. Antes, eram ocorrências mais graves, de assaltos, hoje, são no máximo pequenos furtos, de peças de motos, coisas assim”, aponta.

“Grade para inglês ver” – Por outro lado, parte dos alunos é terminantemente contra o cercamento da universidade. Para eles, a UFMS apresenta questões mais urgentes, e os acadêmicos questionam a “coincidência” da implantação das grades e guaritas com a realização do “Ocupa UFMS”, promovido em agosto deste ano, quando um grupo de 40 alunos invadiu a reitoria por mudanças na assistência estudantil da universidade.

“É grade para inglês ver. A reitora cercou isso aqui só para evitar novas invasões e reuniões dos acadêmicos. A universidade passa por tantos problemas de infraestrutura que não são resolvidos, mas tem dinheiro para cercar. É um gasto desnecessário”, opina Matheus Carneiro, acadêmico de Engenharia Elétrica e membro do DCE (Diretório Central Acadêmico), da gestão que assume em 2014.

Piscina foi gradeada, depois que estudante foi baleado ao reagir a assalto (Foto: Cléber Gellio)Piscina foi gradeada, depois que estudante foi baleado ao reagir a assalto (Foto: Cléber Gellio)
Ponte do Lago do Amor tem posto durante o dia e é fechada à noite (Foto: Marcos Ermínio)Ponte do Lago do Amor tem posto durante o dia e é fechada à noite (Foto: Marcos Ermínio)

“Para mim, gradear o campus é o primeiro ponto que leva a acreditar que a reitora não está interessada em ouvir os estudantes para saber onde investir o dinheiro”, reforça Stefanie Santana, do 3º ano de Medicina Veterinária.

Além das medidas implantadas desde 2011, a UFMS acrescenta a criação da Comissão Permanente de Segurança (CPS), em setembro deste ano, e do Sipa (www.sipas.ufms.br/sigos), ferramenta online disponibilizada para que os próprios estudantes contribuam com o mapeamento das informações sobre incidentes e problemas de infraestrutura nos campus.

Mesmo com grades e guaritas, estudantes andam em grupos como medida de segurança (Foto: Cléber Gellio)Mesmo com grades e guaritas, estudantes andam em grupos como medida de segurança (Foto: Cléber Gellio)


O clima de insegurança existe em todo o lugar. Não é um problema da UFMS, é um problema da sociedade brasileira. Pensar que a Universidade vai conseguir se isolar disso, é ilusão. Infelizmente, para tornar ali um lugar seguro, somente transformando o Câmpus numa prisão...
 
Filipe Alberto em 19/12/2013 05:38:40
A "Casa Grande" (reitoria) está protegida por grades, interfone e muitos guardas particulares de plantão 24 horas. Os demais setores da UFMS (Senzala), são protegidos pelas capivaras e pelos poucos seguranças efetivos do campus.
 
joão paulo em 18/12/2013 20:52:01
Mas pode gastar 1 bilhão que não vai estar segura, todo mundo entra e sai desta faculdade sem ao menos dizer o nome ao porteiro, sim porteiro, pois não há guardas nas portarias, se o porteiro pára um veículo ou pessoa que trabalha ali ele leva esculacho, tem que parar todo mundo e se pessoa falar alguma coisa tem que levar advertencia, seja ela aluno, professor ou funcionario, a segurança da UFMS não existe, nunca existiu.
 
maximiliano nahas em 18/12/2013 17:55:21
Nenhum lugar é mais perigoso que áreas fechadas e de difícil acesso, e é exatamente isso que as grades trazem. Enquanto em outros países a solução para diminuir a insegurança é melhorar a iluminação e aumentar a circulação de pessoas, no Brasil os governos insistem em cercar as áreas públicas, dificultando o acesso e transformando-as em locais isolados e ainda mais perigosos.
 
Luiz Pereira em 18/12/2013 17:17:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions