A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

12/08/2011 17:57

Vereadores negam morte e dizem ser vítimas de perseguição política

Nadyenka Castro e Ana Paula Carvalho

Eles estavam presos desde o dia 20 de julho e saíram da cadeia por determinação judicial

Valdeci chorou ao sair da cadeia e diz que ele e os demais que foram presos são vítimas de perseguição política. (Foto: João Garrigó)Valdeci chorou ao sair da cadeia e diz que ele e os demais que foram presos são vítimas de perseguição política. (Foto: João Garrigó)

Soltos nesta sexta-feira por determinação judicial após 22 dias na cadeia, os vereadores de Alcinópolis Valter Roniz (PR), Enio Queiroz (PR) e Valdeci Lima (PSDB), choraram, negaram participação no assassinato do colega Antônio Carlos Carneiro e afirmaram que a acusação contra eles tem cunho político.

Valdeci, vice-presidente da Câmara do município, se defende dizendo que ficou surpreso na época do crime, ocorrido em outubro do ano passado, em Campo Grande, e que não fazia parte do legislativo municipal.

“Eu não sabia de nada porque eu não fazia parte da Câmara. Eu era diretor do hospital municipal”, lembra Valdeci, que assumiu a vaga na Câmara porque era suplente de Antônio Carneiro.

Ele fala ainda que Antonio Carneiro estava na Capital para contratar um advogado para trabalhar pela Câmara. Valdeci explica que o Tribunal de Contas do Estado pedia a devolução do duodécimo da casa de leis e eles queriam usar o dinheiro para construir a sede própria.

Questionado sobre um suposto dossiê que estaria com a vítima, Valdeci declara que não sabe sobre tais papéis.

Ele os demais vereadores agora soltos, afirmam que já na segunda-feira vão pedir a reintegração da mesa diretora da Câmara de Alcinópolis.

Em defesa - Ex-vereadora do município e diretora da rádio da cidade, Cristina Caputo sai em defesa de Valdeci, Enio e Valter, e ainda do prefeito Manoel Nunes (PR), o qual continua preso.

“Tudo isso é pura política. O seu Alcino [pai de Antonio Carneiro] queria o poder”, acusa Cristina. Ela explica, que na sua avaliação sobre os fatos, Alcino contribuiu para as prisões porque “com todo mundo preso anularia a mesa da Câmara, montaria uma nova e cassaria o prefeito”.

“No outro dia [das prisões] ele [Alcino] em vez de estar chorando a morte do filho estava atrás de política”, fala Cristina sobre o fato de Alcino ter assumido a prefeitura.

Segundo ela, a maioria dos moradores do município é a favor do prefeito Manoel Nunes, o qual, conforme Cristina, deve ser liberado nos próximos dias.

Soltura - Os três foram soltos por determinação da desembargadora Marilza Lúcia Fortes, em resposta a pedido de relaxamento de prisão feito pelo advogado Divanildo Heleno de Paula.

Segundo Divanildo, eles foram soltos porque a prisão temporária já perdeu a legalidade porque já houve indiciamento.

O advogado diz que a Polícia Civil pediu a prisão preventiva dos suspeitos, mas, para ele, deve ser negada.

O crime - Antonio foi atingido por tiros quando estava em Campo Grande, em outubro do ano passado. Logo após os disparos, os executores foram presos por policiais civis que passavam pelo local e continuam na cadeia.



A ex-vereadora tem muito interesse nas investigações , principalmente pelo fato de ter sido cassada por irregularidades na época que foi membro da mesa diretora da Câmara, perdeu os direitos políticos e também de ter qualquer vinculo de contratual com a prefeitura, e com alguns contratos irregulares em nome da mesma, é motivo de fato ,de sua preocupação..
 
Edson Franco em 15/08/2011 08:49:42
Dificilmente, e além de tudo, não dá para acreditar que a polícia do Estado possa ter agido sob interesses políticos como afirmam os vereadores. Existem gravações devidamente autorizadas pela justiça que apontam para a participação desse pessoal nesse nefasto crime. O único criminoso (corrupto) que assumiu a culpa, e que eu sei, foi Roberto Jeferson, no caso do mensalão, os demais negam veementemente, choram, afirmam ser calúnia, injuria, etc, e que vão processar quem denunciam. Viram a deputada, no caso do ministério do turismo, e pior, ela quer ser ministra do TCU, o Órgão Federal a quem compete fiscalizar os atos irregulares praticados no âmbito da administração pública. Só no Brasil e nesse Governo pra acontecer uma coisa dessas.
 
juca sampaio em 13/08/2011 02:01:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions