A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

12/11/2013 10:55

Com 4 membros, quadrilha ia cobrar até R$ 60 mil por vaga em Medicina

Edivaldo Bitencourt e Graziela Rezende
Delegacia apresentou, nesta terça-feira, material apreendido com estudantes durante prova na Uniderp (Foto: Graziela RezendeDelegacia apresentou, nesta terça-feira, material apreendido com estudantes durante prova na Uniderp (Foto: Graziela Rezende

A quadrilha, que tentou fraudar as provas do vestibular 2014 da Uniderp Anhanguera, pretendia cobrar até R$ 60 mil por uma vaga no curso de Medicina. A Dedfaz (Delegacia Especializada em Defraudações) investiga três homens e uma mulher, que comandam o grupo criminoso.

Conforme a delegada Ariane Murad Cury, titular da Dedfaz, uma acadêmica de medicina da Uniderp/Anhanguera pode estar envolvida no esquema. Ela foi reconhecida por professores e colegas de turma fazendo as provas, mas deixou a sala antes das prisões. A universitária alegou que estava passando mal e não se submeteu ao exame para detectar se utilizava ponto eletrônico.

No domingo, duas horas após o início das provas, 22 pessoas e um adolescente foram detidos e encaminhados par a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro. A suspeita é de que mais pessoas participaram do esquema, já que um ponto eletrônico foi encontrado no lixo do banheiro.

A quadrilha aliciou os estudantes em São Paulo, Pará, Mato Grosso, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. O único preso até hoje é Joaquim Pereira Gonçalves Neto, 31 anos, que está no Centro de Triagem porque não tem condições de pagar a fiança de R$ 2 mil. Ele é de Ourilândia do Norte (PA).

Conforme Ariane, dos 22 detidos, 13 ficaram em silêncio e nove decidiram falar com a polícia. Eles revelaram que foram abordados por homens e mulheres nas saídas de vestibulares e após participar de concursos públicos. Pelo ponto eletrônico, eles pagaram de R$ 300 a R$ 500.

Eles contaram que pagariam, se fossem aprovados, de R$ 1,5 mil a R$ 5 mil. Um participante contou que assinou contrato para pagar R$ 60 mil caso fosse aprovado no vestibular para Medicina da Uniderp Anhanguera.

A delegada não revelou de que estado são os integrantes da quadrilha. No entanto, ela contou que já foram identificados dois taxistas que estavam entregando os pontos eletrônicos na Estação Rodoviária de Campo Grande. O grupo também usava dois veículos para receber o grupo.

Delegada Ariane Cury concede entrevista para falar do avanço nas investigações (Foto: Graziela Rezende)Delegada Ariane Cury concede entrevista para falar do avanço nas investigações (Foto: Graziela Rezende)


Aonde que chega ser humano, tem dinheiro para pagar até 5 mil, mais não tem 2 mil para sair da cadeia... diga se de passagem, a delegada esta seno uma mãe estimulando fiança neste valor...
 
Junior Araújo em 12/11/2013 16:43:55
Quando os cursos de licenciatura forem tão valorizados e concorridos quanto um de medicina, teremos um Brasil melhor.
 
Pedro Cunha em 12/11/2013 16:13:50
Assinou contrato?? E se descumprisse o acordado, o que a quadrilha iria fazer? Entrar na justiça com o contrato assinado?

Agora bandido tem setor jurídico.
 
Matheus Henrique Marcolan Daniel em 12/11/2013 15:40:44
Sr. Marcelo Diniz, não se atreva a difamar toda uma classe profissional somente porque discorda do valor da fiança arbitrada pelo Delegado de plantão. Além disso, se o Judiciário não determinou que os autuados prestassem reforço na fiança arbitrada pela autoridade policial é porque não houve nenhum defeito jurídico no referido arbitramento. Não sei o que o senhor faz da vida, mas criticar a capacidade de alguém por despeito ou ignorância não o torna uma pessoa melhor.
 
marcos felipe andreatta em 12/11/2013 15:29:08
Quer dizer então que até no antigo CESUP estão fraudando vestibular. Um lugar que bastava você perder o RG, que te ligavam para confirmar a matrícula. Um lugar onde eu passei para Engenharia Elétrica entregando a redação em BRANCO. Que beleza.
 
Rogerio Jun em 12/11/2013 14:32:00
No Brasil o crime compensa, as pessoas praticam o crime, se der certo ganha muito e se der errado paga muito pouco. Então é lucro!!!
 
Rafael Pereira em 12/11/2013 14:18:26
TEM UM JEITO DE ACABAR COM FRAUDES NOS VESTIBULARES, CONCURSOS.
NAO LIBEREM A SAIDA DA PROVA (APOSTILA DE QUESTOES). SOMENTE PELA INTRNET, APOS 24 HS DO CONCURSO, COM A SENHA DO CANDIDATO. PRONTO! COMO OS FRAUDADORES, IRAO RESPONDER AS QUESTOES E PASSAR AOS CANDIDATOS? IMPOSSIVEL.
 
LUCIANO MARQUES em 12/11/2013 13:36:01
Existe muito cooperativismo na medicina, tudo para manter altos salários e baixa concorrência, o Governo investe altíssimo nos filhos da classe burguesa através de Universidades Públicas para não ter um retorno digno através do serviço público obrigatório, devido à desigualdade na formação educacional, onde o pobre acaba excluído em concorrência desleal e neste caso, criminosa. Isso tem que acabar! Médicos Estrangeiros já ou revalida para todos os médicos, inclusive os mais antigos que não se reciclaram.
 
Carlos Magno em 12/11/2013 13:29:23
Aqui não garotão, aqui é UNIDERPPPPPPPPPPPP !!!!
 
Ricardo Raul da Silva Sales em 12/11/2013 13:21:38
Concordo com o outro comentário, se estavam dispostos a pagar até R$ 60.000.00, deveriam pagar uma fiança bem maior.
 
Michael Quintino dos Santos em 12/11/2013 12:04:45
mais uma vez delegados mostram que não tem capacidade para arbitrar fiança.
 
marcelo diniz em 12/11/2013 12:03:08
e os suspeitos pagaram fiança de R$ 2 mil e foram liberados??? deveria ser no mínimo 30.000,00
 
Alex andré de souza em 12/11/2013 11:30:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions