A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

22/05/2009 14:44

Desconhecimento compromete efeitos da Lei Maria da Penha

Redação

Da dona 'Maria da Penha'

Você não escapa

O bicho pegou, não tem mais a banca

De dar cesta básica, amor

Vacilou, tá na tranca"

Com direito a samba na voz de Alcione, intensa divulgação na mídia e guerra nos tribunais, a Lei Maria da Penha ainda depende de estrutura para que seja aplicada de forma integral em Mato Grosso do Sul.

"Falta conhecimento da sociedade, por isso há pouca aplicação", constata o juiz Ruy Celso Barbosa Florence, que participa nesta sexta-feira de um curso sobre a lei destinado a magistrados.

Desde 2006, a Lei Maria da Penha tornou mais vigorosa a punição contra homens que cometem violência contra as mulheres. Em vez da doação de cestas básicas, que se tornou um folclórico símbolo da impunidade, o agressor pode ser preso.

Além da punição, a lei prevê cuidados para a vítima. "A mulher pode ser encaminhada para uma casa abrigo, ser transferida do emprego", salienta o magistrado.

Contudo, a partir desse ponto, os desafios só fazem aumentar. No Estado, há apenas duas casas que acolhem mulheres com risco iminente de ser mortas pelos companheiros.

O abrigo de Campo Grande pode receber até 10 mulheres, acompanhadas por filhos de até 14 anos; em Dourados, a capacidade é para cinco pessoas. Segundo a coordenadora de Políticas Públicas para a Mulher, Carla Stephanini, não há previsão de ampliar o número de abrigos.

Em Corumbá, a falta de uma casa abrigo leva aos improvisos. "Há dois meses, o ex-companheiro matou o atual namorado da ex-mulher. Contudo, o alvo era ela. A mulher teve que ficar em um hotel", afirma o juiz da 2ª Vara Criminal, Roberto Ferreira Filho.

No caso citado, o magistrado enfatiza que desconhece se a mulher se negou a sair da cidade, porém, reforça que uma casa abrigo no município de 96 mil habitantes é fundamental.

Integrando desde março um pacto nacional contra a violência contra a mulher, o Estado investe na capacitação. Segundo Carla Stephanini, serão realizados cursos para funcionários dos Cras (Centro de Referência de Assistência Social), policias Civil e Militar, Corpo de Bombeiro e operadores do Direito. Em Campo Grande, os agressores condenados também participam de oficinas sobre masculinidade e relações de gênero.

Comunicação - Para a lei "pegar", o judiciário aposta na criação de uma rede. De acordo com o juiz Ruy Barbosa Florence, hospitais, profissionais de saúde e policiais serão obrigados a informar ao MPE (Ministério Público Estadual) qualquer caso de mulher vítima de violência.

"Não imposta se a mulher negar para tentar esconder. O caso terá que ser notificado.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions