A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

18/03/2008 15:15

Indústria da multa: MPE cobra respostas da prefeitura

Redação

O promotor de justiça Marcos Sottoriva enviou hoje à prefeitura de Campo Grande ofício cobrando resposta sobre pedido enviado por ele, em janeiro, para que fosse feita investigação sobre a denúncia de existência na cidade de uma indústria da multa, feita pelos próprios fiscais de trânsito, os amarelinhos. Quando pediu a realização da investigação, em janeiro, o promotor deu 60 dias, prazo que venceu hoje.

Ele informou que vai aguardar a resposta da prefeitura para decidir o que fazer. O mais provável é que conceda mais tempo para o andamento da investigação, que só foi aberta no dia 20 de fevereiro, após o assunto ganhar corpo na imprensa. Os depoimentos dos amarelinhos só começaram ontem.

Até agora, dez pessoas foram ouvidas, entre agentes e supervisores. Há uma outra sindicância, que foi aberta no dia 8 de fevereiro, mas que envolve um funcionário apenas. Outras quatro devem prestar depoimento até amanhã. O prazo para conclusão dos trabalhos seria de 30 dias, mas eles vencem na quinta-feira, e portanto, dificilmente  haverá tempo hábil para a divulgação dos resultados da sindicância até lá.

Reportagem do Campo Grande News na semana retrasada mostrou que documentos enviados ao prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) e ao vereador Ayrton Saraiva, no ano passado, já continuam as denúncias dos amarelinhos, direcionadas principalmente ao chefe de fiscalização, José Maurício Carvalho, que é acusado até de sair em horário fora do expediente para multar condutores.

Uma das principais queixas é de José Maurício determina aos comandados que sejam o mais rígidos possível com os motoristas, aplicando ao pé da letra a possibilidade de aplicar autos de infração. Há um caso, por exemplo, de determinação de guinchamento de ambulância em atendimendo a paciente, o que são não ocorreu porque policiais militares intervieram na situação. O salário dos amarelinhos aumenta quanto mais autos de infração eles emitirem. O do chefe deles também.

Além do MPE, o resultado da sindicância interessa à Câmara dos Vereadores, que acompanha a investigação, e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que tem um representante acompanhando os depoimentos que estão ocorrendo. A partir do resultado,  Câmara e OAB vão decidir que providências serão tomadas.

No MPE (Ministério Público Estadual), uma das possibilidades é que o caso se transforme em ação civil pública. Se houver confirmação de irregularidades na emissão de multas, pode ser aberta ação por improbidade administrativa.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions