ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Cortejo leva indígena para sepultamento em fazenda onde foi morto há 3 dias

Velório começou por volta das 21 horas de sábado e enterro em área onde ele morreu faz parte de acordo com MPF

Lucia Morel e Helio de Freitas, de Amambai | 27/06/2022 14:25



Corpo do indígena Vito Fernandes, de 42 anos, será enterrado na área de conflito onde ele morreu e guaranis-kaiowás já iniciaram cortejo. Com danças tradicionais misturadas a lágrimas, os indígenas velaram o parente por mais de 40 horas.

O velório começou por volta das 21 horas de sábado e o enterro em área que eles consideram de retomada só ocorrerá devido acordo mediado com o MPF (Ministério Público Federal).

Esposa de Vito, Assunciona Ximenes, de 36 anos, chorava sobre o caixão e falava aliviada sobre o anúncio de que poderiam enterrá-lo na Fazenda Borda da Mata, onde ele faleceu. Como o corpo não foi preparado para tanto tempo de velório, o caixão permanece fechado devido o mau cheiro.

Familiares chorando sobre caixão, que permaneceu fechado por conta do mau cheiro. (Foto: Helio de Freitas)
Familiares chorando sobre caixão, que permaneceu fechado por conta do mau cheiro. (Foto: Helio de Freitas)

O pedido para sepultamento no local da morte tem um significado espiritual para os guaranis-kaiowás e afirmam que quando alguém morre, os kaiowá abrem uma cova simbólica esperando o corpo para virar um cova real. Para eles, dá “mau agouro para a comunidade” e cria uma série de problemas culturais e espirituais, caso isso não seja feito.

O acordo para enterro foi necessário diante de temor de novo confronto caso os indígenas fossem para o local – lavoura da Fazenda Borda da Mata – sem auxílio das autoridades.



Nas redes sociais, a Aty Jovem, assembleia dos jovens guarani-kaiowá, publicou vídeo do filho de Vito, Luiz Fernandes, que dizia que caso não houvesse um acordo, os indígenas teriam que ir à força enterrá-lo, e pedia ajuda de políticos e outras autoridades.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também