ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Ex é suspeita e homem preso por esquartejar jogador

Jogador sumiu após sair de festa em cidade do Paraguai, que faz fronteira com Sete Quedas

Dayene Paz e Bruna Marques | 04/07/2023 07:22
Hugo Vinícius Skulny Pedrosa, esquartejado em cidade de MS. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Hugo Vinícius Skulny Pedrosa, esquartejado em cidade de MS. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

As buscas por partes do corpo do jogador de futebol Hugo Vinícius Skulny Pedrosa, de 19 anos, continuam ininterruptas pela polícia de Sete Quedas, a 468 quilômetros de Campo Grande, e pedaços da cabeça foram localizados nesta segunda-feira (3). Um suspeito se apresentou e a polícia apura a participação da ex-namorada de Hugo no crime bárbaro.

Na madrugada do dia 25 de junho, Hugo saiu de uma festa em posto de combustível na cidade de Pintoty Porã, no Paraguai, que faz fronteira com Sete Quedas. Na sequência, foi deixado por amigos na casa da ex-namorada e, desde então, não foi mais visto. No domingo, 2 de julho, partes do corpo dele foram encontradas no Rio Iguatemi. Uma tatuagem ajudou na identificação da vítima.

Segundo a delegada Lucélia Constantino, um rapaz suspeito do crime se apresentou à polícia em uma cidade da região. Ele estava acompanhado de advogado e ficou preso. Não foram informados detalhes do depoimento do suspeito.

Como o último local em que foi visto pelos amigos foi a casa da ex-namorada, a polícia também apura se a jovem teve envolvimento no crime. "A versão dela é que ele foi na casa dela sem ela chamar", revelou Lucélia.

Durante as diligências, a polícia apreendeu quatro veículos, entre carros e um barco, vários celulares e instrumentos que podem ter sido utilizados no crime. Tudo está sendo periciado.

Mas nem todas as partes do corpo foram localizadas. Em um primeiro momento, encontraram quadril, tronco e coxa, no Rio Iguatemi. Ontem, partes da cabeça foram encontradas, mas a delegada não informou o local. "Cortaram em partes pequenas para dificultar a localização. Hoje, as buscas continuam por policiais e bombeiros", informou.

As apurações levam a crer que se trata de crime passional.

Nos siga no Google Notícias