A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Agosto de 2019

11/12/2018 10:45

Loja com 20 anos de funcionamento foi totalmente destruída pelo fogo

Corpo de Bombeiros calcula a utilização de mais de 500 mil litros de água

Danielle Valentim
Loja surgiu em 1998 como uma loja de produtos a R$ 1,99. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)Loja surgiu em 1998 como uma loja de produtos a R$ 1,99. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)

O incêndio na loja Tentação em Corumbá, a 419 km de Campo Grande, foi encerrado na nesta terça-feira (11). A loja que tinha 20 anos de existência foi totalmente destruída. Até ontem (10), o Corpo de Bombeiros havia utilizado 90 mil litros de água, mas até o rescaldo, desta manhã, a corporação calculou a utilização de mais de 500 mil litros.

“Perdi o trabalho de toda uma vida. Minha, de minha esposa, minha família”. Com essa frase o empresário Nasser Safa tentou descrever o sentimento ao acompanhar o trabalho de combate ao fogo e rescaldo do incêndio que destruiu a loja de variedades.

Os prejuízos com a perda de produtos e estrutura do prédio histórico ainda não foram calculados. “Foram-se documentos, fotos de família junto com o fogo”, afirmou o empresário. Ao Diário Corumbaense, Nasser frisou que a loja tinha 20 anos de existência desde que surgiu em 1998 como uma loja de produtos a R$ 1,99.

“Você imagina chegar com vinte e poucos anos de idade e agora com mais de 50 perder tudo o que você conseguiu com muito trabalho?”, declarou Nasser ao confirmar que a loja não tinha seguro. “A ficha ainda não caiu”, comentou.

O incêndio, segundo ele, começou pela parte superior do prédio, onde ficava o depósito de produtos que, aliás, nessa época do ano dedicada às festas e próxima ao carnaval, já havia reforçado todo o estoque.

No momento que as chamas começaram, a rotina na vizinhança ocorria normalmente. A moradora Tânia Regina Valdonado saía de casa para levar o neto na creche.

“Eu e meu esposo saímos por volta das 14 horas para levar nosso netinho na creche em Ladário. Pegamos um ônibus e quando o coletivo fez a volta pela rua aqui do lado, já avistamos a fumaça. Meu marido ligou para meu filho que tinha ficado aqui com minha mãe e ele disse que era um incêndio na loja, porém ele nos acalmou dizendo que os bombeiros já estavam no local e que eles pediram para todos saírem das casas”, contou Tânia.

A moradora só foi autorizada a voltar para a residência com toda sua família às 23 horas, quando as chamas foram controladas.

Além dos caminhões-tanques dos bombeiros, viaturas da Marinha, Exército, Sanesul, Infraero, Equipe Engenharia e da Vale ajudaram na força-tarefa. Polícia Militar, Agetrat (Agência Municipal de Trânsito) e Guarda Municipal também deram apoio ao trabalho, cuidando do isolamento do quarteirão.

Os militares do 3º Grupamento de folga foram acionados e bombeiros civis da mineradora Vale reforçaram as equipes durante a fase mais difícil do combate ao fogo.

O trabalho de rescaldo durou toda a noite e manhã desta terça-feira, 11 de dezembro. Nessa fase, apenas os bombeiros seguem realizando a ação, porém com muita cautela devido às grandes possibilidades de desabamento existentes no local.

A quadra da loja, na rua 13 de Junho, entre as ruas Antônio Maria e Antônio João permanece interditada. Nos arredores, o cheiro de fumaça ainda é intenso.

Apoio - O comandante do 3º Grupamento de Bombeiros, tenente-coronel André Delai Rufato, destacou que o combate ao incêndio de grandes proporções teve êxito devido ao empenho dos militares que contaram com o apoio de diversas instituições da cidade já citadas nessa reportagem e da população.

“Conseguimos evitar que o incêndio se propagasse para os vizinhos. A possibilidade disso acontecer era muito grande. Tivemos ajuda de muitas pessoas para evitar, agradecemos a todos, inclusive a população, que nos apoiou com água, alimentação durante todo esse tempo”, explicou.
A presença de grande quantidade de produto inflamável e a queda da parte superior da edificação foram fatores que contribuíram para tornar o trabalho mais árduo, conforme relatou o comandante dos bombeiros.

“A carga de incêndio da edificação era muito alta: papel, plástico, todo esse material que pega fogo alto e quando está meio compactado temos mais dificuldade. Tivemos dificuldade para apagar apenas jogando água por cima porque o teto caiu e era de folha dupla de zinco, então jogávamos água e ela escorria pelo zinco e caía em poucos pontos. Tivemos que levantar esse teto caído e jogar água por baixo”, explicou.

Sobre as causas do fogo, Rufato disse que ainda não é possível afirmar nada. Ele disse que esse questionamento será esclarecido pelo trabalho de perícia que deve ser iniciado logo após o término do rescaldo.

A corporação calcula que em toda a operação foram utilizados mais de 500 mil litros de água.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions