ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 19º

Interior

Oito anos após sentença, Corumbá segue sem previsão de ter UTI Neonatal

Entre 2008 e os primeiros cinco meses de 2014, 135 recém-nascidos morreram em Corumbá

Por Lucia Morel | 30/03/2024 14:07
Mãe segura mãozinha de filho que acabou morrendo sem UTI em Corumbá, mesmo ao ser transferido a Campo Grande. (Foto: Arquivo Pessoal)
Mãe segura mãozinha de filho que acabou morrendo sem UTI em Corumbá, mesmo ao ser transferido a Campo Grande. (Foto: Arquivo Pessoal)

A Justiça Estadual determinou há oito anos a implantação de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) neonatais em Corumbá, cidade a 428 Km de Campo Grande. Ou seja, em 2016, a cidade, bem como a região pantaneira, que dependem da maternidade da Santa Casa de Corumbá, já enfrentavam problemas com a falta de leitos intensivos para recém-nascidos.

Ação foi impetrada pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul em março de 2015 e a sentença saiu 11 meses depois, em fevereiro do ano seguinte. O MP relatava à época que, entre 2008 e os primeiros cinco meses de 2014, “a maioria dos atendimentos neonatais da região, ou seja, 1.013, concentraram-se no próprio município, sendo outros 46 encaminhados para Campo Grande e um para Dourados”.

No mesmo período, 94,4% dos óbitos de recém-nascidos de 0 a 28 dias em Corumbá (135 ao todo) ocorreram  no município, sendo “10 apenas de janeiro a maio de 2014”.

Na sentença, a juíza da Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos, Luiza Vieira Sá de Figueiredo, entendeu haver omissão do município de Corumbá na implementação das unidades e de outros cuidados assistenciais a gestações de alto risco, mesmo havendo verba para tal e ainda que o Estado de Mato Grosso do Sul não era parte ilegítima do pedido do MPMS, como defende-se.

Isso porque “no presente caso, a verba pública destinada aos projetos cerne dos autos deve ser repassada pelo Estado de Mato Grosso do Sul, o que corrobora a impossibilidade de que seja declarada sua ilegitimidade para figurar no polo passivo”.

Para a magistrada, “não há que falar que a ausência de instalação e implementação das medidas narradas nos autos se deram por motivos alheios a vontade da administração pública”, porque tanto o município tinha conhecimento de haver verba destinada às obras de UTI Neonatal, e assim deveria “ter fiscalizado e diligenciado a fim de que o hospital (Santa Casa de Corumbá) cumprisse os requisitos autorizadores”.

A sentença dava um ano para a implementação das unidades, mas tanto a Prefeitura de Corumbá quanto o Governo do Estado recorreram da decisão e em abril de 2017, acórdão da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça determinou novamente a instalação da UTI Neonatal. Tanto que as apelações municipal e estadual foram rejeitadas, mantendo a decisão de primeiro grau.

Conforme o desembargador Marco André Nogueira Hanson, relator do caso na época, relembrou que o Estado se defendeu afirmando que a o município de Corumbá deveria cumprir a medida, e que os pedidos do MP estavam “atrelados à gestão municipal”. Disse também que “os recursos necessários para atender os pedidos estão reservados pela Rede Cegonha, cabendo apenas ao Município de Corumbá adequar-se aos requisitos previamente estabelecidos pelo Ministério da Saúde”.

Ofício da Prefeitura de Corumbá à Promotoria de Justiça que acompanha a futura instalação de Centro Obstétrico com UTIs em Corumbá. (Foto: Processo)
Ofício da Prefeitura de Corumbá à Promotoria de Justiça que acompanha a futura instalação de Centro Obstétrico com UTIs em Corumbá. (Foto: Processo)

Narrou ainda a Procuradoria Estadual que a sentença afrontava a independência do Poder Executivo, porque “o juiz não sinalizou a dotação orçamentária, a origem da verba pública para se realizar os investimentos determinados na sentença, além de ignorar outras prioridades administrativas, de complexa gestão orçamentária e financeira”. O município, por sua vez, não apresentou contrarrazões.

Com isso, o entendimento foi de que a sentença de primeiro grau não merecia “retoque”. “A toda evidência, diante de toda esta perspectiva e da gravidade da situação vivenciada naquela região, evidentemente que o pedido cominatório contido na inicial deve ser amparado, a fim de tornar efetiva a política pública que já subsiste, mas não restou implementada, a despeito de ter transcorrido quase 6 (seis) anos desde a instituição da Rede Cegonha até a presente data”.

O caso foi para as instâncias superiores, STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF (Supremo Tribunal Federal). No primeiro, os recursos foram negados, e no segundo, o processo foi devolvido à origem porque o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul não se manifestou no tempo previsto. Desde então, 2 de julho de 2018, o procedimento está parado e sem andamento.

A reportagem entrou em contato com o Governo do Estado, por e-mail, nos dias 20 e 21 de março, mas até o momento não houve resposta sobre a situação.

Ministério Público - Procedimento Administrativo aberto para acompanhar as obras de reforma e ampliação do Centro Obstétrico da Maternidade de Corumbá, que tramita no MPMS, obteve resposta recente do município, em 19 de fevereiro, em que a prefeitura através da Procuradoria Geral, informou que os valores de convênio estadual “celebrado entre o Município de Corumbá e a Secretaria de Estado de Saúde, destinado por meio do contrato nº 060/2018/SMS a financiar a reforma e adequação do Centro Obstétrico da Maternidade, excedeu o prazo limite de cinco anos, ensejando no encerramento do contrato”.

Assim, “o mesmo já teve a prestação de contas enviada e o recurso restante foi devolvido ao cofre do Estado”. Mas, há processo administrativo de 2022 que visa “a atualização das planilhas orçamentárias e demais documentos técnicos, bem como a complementação dos projetos, tendo em vista a celebração de um convênio entre o Município e a Universidade Unicesumar para, dentre outras obrigações, realizar obras de reforma e adequação do Centro Obstétrico da Santa Casa de Corumbá”. O documento é assinado pela secretária de saúde de Corumbá, Beatriz Silva Assad.

Ou seja, apesar de sentenças determinando a implantação e existência de recursos, as UTIs não têm previsão de serem instaladas.

Protesto - Após mais casos de mortes de recém-nascidos e até de mães na maternidade da Santa Casa de Corumbá, houve manifestação quanto ao descaso na cidade. Em 17 de março, mães e pais que perderam seus bebês choraram e clamaram por melhor assistência, como o Campo Grande News mostrou aqui.

Um dos casos mais recentes de óbitos de recém-nascidos em Corumbá, a reportagem revelou aqui.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias