A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Outubro de 2019

03/10/2019 09:20

Polícia consegue retirar caminhões, mas bloqueio em rodovia continua

Líder indígena diz que grupo espera iniciar negociação hoje com a prefeitura; protesto completou 48 horas hoje

Helio de Freitas, de Dourados
Bloqueio da MS-156 continua entre Dourados e Itaporã, mas caminhões foram retirados pela PMR (Foto: Divulgação)Bloqueio da MS-156 continua entre Dourados e Itaporã, mas caminhões foram retirados pela PMR (Foto: Divulgação)

Caminhões que estavam parados desde a manhã de terça-feira (1º) no bloqueio da MS-156 em Dourados, a 233 km de Campo Grande, foram retirados pela Polícia Militar Rodoviária. A interdição é feita por universitários indígenas, que cobram da prefeitura a volta dos ônibus que fazem o transporte deles até as universidades no perímetro urbano.

O comando da corporação informou ao Campo Grande News que a retirada começou ontem “de forma bastante tranquila” e foi concluída na manhã de hoje (3).

De acordo com o tenente-coronel Wagner Ferreira da Silva, os dois lados da rodovia, no anel viário em Dourados e na saída de Itaporã, foram sinalizados e os policiais fazem plantão para orientar os motoristas sobre o desvio, pelo distrito de Panambi, através da MS-379.

O caminho alternativo aumenta a viagem entre Dourados e Itaporã em 60 km se for por estradas pavimentadas (MS-379 até a MS-470 e depois até a MS-156). É possível também pegar estrada de terra de Panambi em direção a Itaporã. Por esse trajeto, o percurso aumenta em 15 km. A distância entre as duas cidades pela rodovia bloqueada é de menos de 20 km.

Os manifestantes esperam iniciar hoje a negociação com a prefeita Délia Razuk (PTB). O capitão da Aldeia Jaguapiru, Isael Morales, o Neco, disse que os universitários mantêm contato com vereadores, para intermediar reunião com assessores da prefeita.

Segundo ele, uma comissão será formada para ir até a sede da prefeitura, na Avenida Coronel Ponciano. Na terça-feira, quando o protesto começou, os estudantes indígenas afirmaram que só negociariam se a prefeitura mandasse representantes ao local, o que não aconteceu até agora.

O secretário municipal de Educação Upiran Jorge Gonçalves disse na terça que o município não tem obrigação legal de transportar universitários, pois o dinheiro que vem do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) é para a educação básica.

Morte de criança – A morte de um menino de um ano e oito meses na noite de terça-feira na reserva indígena, supostamente por demora no atendimento devido ao bloqueio da rodovia, foi parar na Assembleia Legislativa, ontem de manhã.

O deputado estadual Neno Razuk (PTB), filho da prefeita Délia Razuk, disse que o bloqueio tem interesses políticos, cobrou investigação da morte e apontou os vereadores Madson Valente (DEM) e Olavo Sul (Patriota) como apoiadores do movimento. Os dois fazem oposição a Délia na Câmara. Eles negaram envolvimento no protesto e chamaram a declaração de “absurda”.

Caminhões parados ontem no bloqueio da MS-156, entre Dourados e Itaporã (Foto: Adilson Domingos)Caminhões parados ontem no bloqueio da MS-156, entre Dourados e Itaporã (Foto: Adilson Domingos)
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions