ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 18º

Interior

Ponte comprometida na Estrada Parque preocupa produtores rurais

Por Anahi Zurutuza | 08/03/2018 09:43
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A força da correnteza das águas dos rios Aquidauana e Miranda, que cruzam a MS-184 (Estrada Parque) em direção ao Rio Paraguai, em Corumbá, danificou a ponte de madeira nº 4 e acendeu o alerta dos produtores rurais.

Os fazendeiros estão retirando o gado das áreas alagadas neste momento. Outra preocupação é com o turismo da região, que pode ficar comprometido. 

Um dos pilares centrais de sustentação da ponte cedeu, inclinando-a levemente para o lado oposto, e o risco de a estrutura sofrer maiores danos e desabar é muito grande, segundo o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Aguilar Leite.

“O movimento de caminhões transportando gado é intenso e a ponte pode não suportar esse fluxo”, alerta o sindicalista.

A ponte nº 4 é uma das oito situadas entre o trevo da MS-184 com a BR-262 (Buraco das Piranhas) e a ponte de concreto do Rio Miranda, na região conhecida como Passo do Lontra.

Produtores e empresários de turismo da localidade já comunicaram o fato à regional da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), em Corumbá, e pediram providências.

Ponte comprometida na Estrada Parque preocupa produtores rurais

Abastecendo as fazendas - Segundo o presidente do sindicato, a garantia do tráfego na MS-184 é fundamental nesse período do ano, quando o Pantanal começa a encher, para a movimentação do gado das áreas inundáveis das subregiões da Nhecolândia e Abobral.

Ele destacou que o Governo do Estado tem mantido permanentemente as mais de 60 pontes de madeira e as MS-184 e MS-228.

“O comprometimento da ponte nº 4 é um indicativo de que esta estrutura e outras no trecho podem sofrer mais danos com a chegada das águas que transbordaram o Aquidauana e o Miranda, há duas semanas”, disse Luciano Leite.

“Com a cheia, além da retirada do gado, os fazendeiros estão levando suprimentos para as fazendas e precisam de acesso”, alertou