ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Ponte comprometida na Estrada Parque preocupa produtores rurais

Anahi Zurutuza | 08/03/2018 09:43
(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A força da correnteza das águas dos rios Aquidauana e Miranda, que cruzam a MS-184 (Estrada Parque) em direção ao Rio Paraguai, em Corumbá, danificou a ponte de madeira nº 4 e acendeu o alerta dos produtores rurais.

Os fazendeiros estão retirando o gado das áreas alagadas neste momento. Outra preocupação é com o turismo da região, que pode ficar comprometido. 

Um dos pilares centrais de sustentação da ponte cedeu, inclinando-a levemente para o lado oposto, e o risco de a estrutura sofrer maiores danos e desabar é muito grande, segundo o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Aguilar Leite.

“O movimento de caminhões transportando gado é intenso e a ponte pode não suportar esse fluxo”, alerta o sindicalista.

A ponte nº 4 é uma das oito situadas entre o trevo da MS-184 com a BR-262 (Buraco das Piranhas) e a ponte de concreto do Rio Miranda, na região conhecida como Passo do Lontra.

Produtores e empresários de turismo da localidade já comunicaram o fato à regional da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), em Corumbá, e pediram providências.

Ponte comprometida na Estrada Parque preocupa produtores rurais

Abastecendo as fazendas - Segundo o presidente do sindicato, a garantia do tráfego na MS-184 é fundamental nesse período do ano, quando o Pantanal começa a encher, para a movimentação do gado das áreas inundáveis das subregiões da Nhecolândia e Abobral.

Ele destacou que o Governo do Estado tem mantido permanentemente as mais de 60 pontes de madeira e as MS-184 e MS-228.

“O comprometimento da ponte nº 4 é um indicativo de que esta estrutura e outras no trecho podem sofrer mais danos com a chegada das águas que transbordaram o Aquidauana e o Miranda, há duas semanas”, disse Luciano Leite.

“Com a cheia, além da retirada do gado, os fazendeiros estão levando suprimentos para as fazendas e precisam de acesso”, alertou

Nos siga no Google Notícias