ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 21º

Interior

Promotoria pede julgamento de suspeito de matar jornalista Leo Veras

Apesar de denunciado, Waldemar negou na época ser mandante do crime e disse que era amigo da vítima

Mirian Machado e Helio de Freitas | 29/04/2021 17:23
Promotores da Unidade Especializada contra o Crime Organizado do Paraguai pediram julgamento de suspeito de assassinar jornalista(Foto: Divulgação)
Promotores da Unidade Especializada contra o Crime Organizado do Paraguai pediram julgamento de suspeito de assassinar jornalista(Foto: Divulgação)

A promotora paraguaia Alicia Sapriza, do núcleo de luta contra o crime organizado apresentou denúncia e pediu julgamento oral contra Waldemar Pereira Rivas vulgo “Cachorrão”, acusado de associação criminosa e pelo homicídio doloso do jornalista brasileiro Lourenço Veras, o Leo, 52 anos.

A decisão se deu após investigação realizada em conjunto com os outros procuradores que integram a equipe Marcelo Pecci e Federico Delfino, da Unidade Especializada contra o Crime Organizado do Ministério Público.

“Cachorrão” foi preso três meses após Leo Veras, proprietário do jornal Porã News, um dos principais jornais policiais da fronteira com o Paraguai, ser assassinado no país vizinho.

Apesar de Waldemar ser denunciado como mandante do assassinato, a morte de Leo Veras é vista como mais um mistério da fronteira. Muitas pessoas que conheciam o jornalista duvidam dessa versão da polícia.

Na época da morte ele negou, disse que era amigo da vítima e de sua família.

Cachorrão foi preso no dia 1° de maio de 2020 em Pedro Juan Caballero. Ele estava dentro de um veículo, sob efeito de álcool e foi detido durante inspeção preventiva e encaminhado ao Departamento de Investigação Criminal da Polícia de Amambay.

Segundo apurado pelo portal ABC Color na época, o elemento que vinculava Waldemar à morte de Leo era sua caminhonete Jeep Renegade, usada por membros da facção PCC (Primeiro Comando da Capital) para matar o jornalista. No Brasil, Cachorrão é condenado a 17 anos de prisão.

Assassinato- Leo foi morto a tiros no dia 12 de fevereiro de 2020, após três bandidos encapuzados invadirem uma casa simples no bairro Jardim Aurora, em Pedro Juan Caballero, e o executaram com 15 tiros de pistola 9 milímetros. A vítima jantava com a esposa, os filhos adolescentes e o sogro. Ele tentou correr ao ver os bandidos chegando, mas foi perseguido e morto no quintal.

Nos siga no Google Notícias