ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  29    CAMPO GRANDE 22º

Interior

Suspeito de matar Rafaat vai terminar tratamento em repartição da polícia

Juiz ordenou que Sergio Lima dos Santos fique pelo menos dez dias em delegacia especializada sendo medicado; depois vai para presídio de Tacumbú, na capital paraguaia

Por Helio de Freitas, de Dourados | 30/06/2016 16:58
Ficha de Sergio Lima dos Santos na polícia do Rio de Janeiro (Foto: Divulgação)
Ficha de Sergio Lima dos Santos na polícia do Rio de Janeiro (Foto: Divulgação)

O brasileiro Sergio Lima dos Santos, 34, suposto pistoleiro que manuseou a metralhadora antiaérea calibre 50 usada na execução do narcotraficante Jorge Rafaat Toumani, deve ser levado ainda nesta quinta-feira (30) do hospital da cidade de Fernando de La Mora, na região metropolitana de Assunção, para a sede de um grupo especial da polícia, na capital paraguaia.

A transferência foi ordenada pelo juiz penal, Édgar Ramírez, que determinou a permanência do brasileiro na repartição da polícia por dez dias, onde vai continuar recebendo tratamento com antibióticos, e depois desse período será removido para o presídio de Tacumbú, também em Assunção.

Ligado ao Comando Vermelho e supostamente recrutado pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) para participar do ataque a Rafaat, Lima dos Santos foi ferido no rosto pelos seguranças do narcotraficante e na mesma noite da execução, no dia 15 de junho, foi abandonado em um hospital de Pedro Juan Caballero.

Logo em seguida o brasileiro foi levado por dois advogados para o hospital de Fernando de la Mora, cidade a 459 km de Pedro Juan Caballero e a 9 de Assunção.

Tentou fugir - Depois de duas semanas internado, algemado na cama do hospital e vigiado por homens da Polícia Nacional, Sergio dos Santos apresentou visível recuperação do quadro de saúde. Na quinta-feira passada, ele tentou abrir a algema com uma medalha de santa, mas policiais que fazem a vigilância no local evitaram a fuga.

“O tratamento com antibióticos para evitar uma infecção vai durar mais oito. Em dez dias ele estará curado e poderá ir para a Penitenciária Nacional de Tacumbú”, afirmou o magistrado paraguaio à rádio Cardinal ABC.

Outro brasileiro suspeito – Fontes da polícia paraguaia revelaram a jornais do país vizinho que até o momento o único suspeito de tramar a execução de Rafaat é o brasileiro Elton Leonel Rumich da Silva, o “Galán”. Existem suspeitas de que Galan estaria conduzindo a caminhonete Toyota onde foi instalada a metralhadora manuseada por Sergio dos Santos.

Policiais que trabalham no caso já apuraram que Galan havia se instalado na região de Pedro Juan Caballero com o apoio do traficante paraguaio Jarvis Chimenes Pavão, ex-aliado de Rafaat e atualmente preso em Tacumbú.

Ainda de acordo com a imprensa do Paraguai, Jorge Rafaat não permitia a expansão das atividades criminosas dos brasileiros, especialmente o PCC e o Comando Vermelho.

Aliados a Jarvis Pavão, os grupos teriam tramado a morte de Rafaat para assumirem o controle da remessa de armas e drogas para o Brasil a partir de Pedro Juan Caballero.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário