ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Interior

"Tomada por bocas de fumo", diz capitão sobre aldeia onde adolescente foi morta

Capitão da Aldeia Jaguapiru relata disputa por território onde tráfico de drogas cresce e pede policiamento

Por Danielly Escher | 11/12/2023 18:12
Policiais no local onde jovem foi assassinada na aldeia Jaguapiru (Foto: Adilson Domingos)
Policiais no local onde jovem foi assassinada na aldeia Jaguapiru (Foto: Adilson Domingos)

Ao ser questionado sobre a situação das comunidades indígenas em Dourados, distante 251 quilômetros de Campo Grande, um dos líderes responde: "Está entre a facção da droga que não para e a cachaça". Ramão Fernandes, capitão da Aldeia Jaguapiru, atendeu nossa reportagem rapidamente por telefone, nesta segunda-feira (11), e lamentou mais um crime envolvendo jovens indígenas. Violência que costuma estar associada ao uso de álcool e outras drogas.

Kleiton Benites sendo preso (Foto: Adilson Domingos)
Kleiton Benites sendo preso (Foto: Adilson Domingos)

No caso mais recente, não foi diferente. Kleiton Benites Gomes, 19, foi preso neste fim de semana pelo assassinato da namorada, Karine Ferreira Isnarde, de 16 anos. O corpo tinha sinais de estupro e marcas de asfixia. Segundo moradores da aldeia, na noite anterior, a adolescente havia se reunido com amigos e com o namorado para consumir bebida alcoólica.

"Ela tinha muitos sonhos. Estamos muito tristes", disse Ramão sobre a vítima. O capitão diz que as aldeias estão "infestadas de bocas de fumo" e ainda existe uma disputa por território entre facções. O líder indígena relata um clima fora de controle em que adolescentes começam a se drogar aos 12 anos de idade com maconha, crack e uso de álcool. "Somos ameaçados. Já tentaram me matar. Atiraram em mim", conta.

Ainda segundo Ramão, 16 indígenas fazem o policiamento na aldeia apenas com "pedaços de pau". A comunidade pede mais segurança. "A Polícia Militar vem quando a gente chama, mas queremos uma base fixa deles aqui dentro. Também pedimos coletes a um representante do Governo Federal que esteve aqui uns três meses atrás", conta.

Em junho de 2022, uma adolescente indígena, de 14 anos de idade, confessou ter esfaqueado o próprio tio durante roda de cachaça na Aldeia Jaguapiru. A jovem disse que reagiu porque o tio estava agredindo e enforcando a própria esposa.

Projeto de hortas em aldeia (Foto: Arquivo pessoal)
Projeto de hortas em aldeia (Foto: Arquivo pessoal)

Prevenção - A professora da UFGD, Gicelma Chacarosqui coordena um projeto para combater o alcoolismo nas aldeias Jaguapiru e Bororó com atendimento médico, palestras, além de incentivar geração de renda com o cultivo de hortas.

“Nós temos quase 20 mil indígenas em uma localidade de 370 mil hectares, que é abraçada pela urbanidade de Dourados e pela ruralidade de Itaporã, porque as fazendas chegam até o limite da reserva. É uma localidade com uma característica de uma grande favela rural", destaca a professora.

Gicelma diz que faltam necessidades básicas, como água e comida, tornando o cenário desesperador. "Como evitar atrocidades? Nada se consegue fazer sem prevenir a fome", diz a professora.

Reportagem do Campo Grande News do dia 15 de novembro mostra que o problema da falta de água foi levado ao Governo Federal. Ricardo Weibe Tapeba, secretário de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, afirmou que está estabelecendo parceria para perfuração de poços e a curto prazo a contratação de caminhões-pipa.

Dentro destas condições precárias, a professora Gicelma conclui: "Um jovem que vive lá e passa por uma crise identitária, que não tem perspectiva de presente e de futuro, é muito mais fácil se agarrar em um corotinho ou na cachaça para esquecer a existência".

Basta uma rápida busca pela internet para encontrar trabalhos de universidades apontando para o aumento do consumo de álcool e outras drogas dentro das comunidades indígenas.

Levantamentos - Publicação do curso de Ciência Sociais da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) com dados das aldeias Bororó e Jaguapiru conclui: "Beber deixou de ser somente algo da tradição singular indígena e em alguns casos passou a ser patológico. Violências, suicídios, desnutrição infantil, abuso do uso de álcool e outras drogas são algumas das sequelas que ficaram na rotina destes povos".

Repercussão - Outra rápida busca na internet mostra que o assunto já foi amplamente estampado por jornais locais e de fora do Estado. Em 21 agosto de 2021, a Folha de São Paulo trouxe a seguinte matéria: "Com 1 em cada 5 habitantes sendo usuário de bebidas alcoólicas ou drogas como maconha e cocaína, a população indígena de Dourados registra uma média de homicídios 400% superior à de não indígenas no estado, segundo dados apontados pelo Ministério Público Federal".

A reportagem detalhou os números: "Desde 2012 o Brasil teve taxa média de 29,2 homicídios por 100 mil habitantes. Em Mato Grosso do Sul, a taxa foi de 26,1. Entre os indígenas do estado, o número sobe para 55,9. Já os indígenas das reservas de Dourados enfrentam uma taxa de 101,18, número quase 400% superior a dos não indígenas de Mato Grosso do Sul".

Pedreira onde indígena foi jogada (Foto: Adilson Domingos)
Pedreira onde indígena foi jogada (Foto: Adilson Domingos)

A matéria foi feita dias após a morte da menina de 11 anos, Raíssa da Silva Cabreira, na Aldeia Jaguapiru. Segundo a polícia, ela foi jogada de uma altura de quase 20 metros após ser estuprada coletivamente por três adolescentes e dois adultos, incluindo o próprio tio, Elinho Arévalo. Segundo a polícia, eles confessaram que participaram da ação depois de consumirem bebidas alcoólicas por todo o dia.

"Todos os crimes violentos que atendemos nas aldeias vêm do uso do álcool e de drogas. O próprio jovem preso pelo crime da Raíssa: ficamos por horas esperando ele se recuperar dos efeitos da pinga para colher seu depoimento", disse o delegado Erasmo Cubas à época para a imprensa.

Respostas - A Prefeitura de Dourados informou que presta vários serviços dentro da Reserva Indígena, incluindo na área de serviços urbanos, com patrolamento das vias, instalação e manutenção de iluminação pública. "Na área da educação, são duas escolas municipais com professores de língua nativa. Também existe um trabalho de assistência técnica e de serviços da agricultura familiar. Dentro da Reserva Indígena há um Cras (Centro de Referência da Assistência Social) para os atendimentos e direcionamentos aos direitos sociais de pessoas em situação de vulnerabilidade".

O Governo de Mato Grosso do Sul lembra que, apesar de desenvolver algumas ações dentro das comunidades, "territórios indígenas são áreas de competência da União".

Em nota, a Secretaria de Justiça e Segurança Pública diz que desde 2017 existe o Conselho Comunitário de Segurança na Aldeia Jaguapiru, onde os conselheiros, todos indígenas, contam com uma viatura. "Além disso, há a presença do policiamento preventivo feito pela Polícia Militar. Já o policiamento repressivo (investigativo) é rotineiramente feito pela Polícia Civil", complementa.

Ainda de acordo com a Sejusp, em 2023 no foram realizadas 935 ações preventivas pela Polícia Militar no interior das aldeias de Dourados, com a permanência diária de uma base comunitária móvel. "Este ano foram 4 homicídios no interior das aldeias e 28 na cidade e, em 2022 foram 40 homicídios na cidade e 5 nas aldeias. Em 2021 foram 11 homicídios nas aldeias e 32 na cidade. O que demonstra redução de mortes violentas, por conta do policiamento", finaliza a nota.

O Campo Grande News também encaminhou mensagem solicitando um posicionamento sobre os problemas apontados na reportagem para o representante da Funai (Fundação Nacional do Índio) na região sul do Estado e para Eloy Terena, secretário-executivo do Ministério dos Povos Indígenas. Até a publicação da matéria, não houve resposta. O espaço segue aberto.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias