A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

14/04/2008 16:36

MP espera resposta a recurso para manter Beira-Mar em MS

Redação

O MPE (Ministério Público Estadual) do Rio de Janeiro ainda aguarda a resposta da justiça sobre o recurso contra a decisão que, no dia 18 de março, determinou a transferência do traficante Fernandinho Beira-Mar de Campo Grande para um presídio carioca em 60 dias, caso não fosse comprovado pelos promotores que a presença do criminoso naquele estado representa um risco à segurança. O advogado de Beira-Mar em MS, Luiz Gustavo Bataglin, acredita que, mesmo com o episódio ocorrido hoje no presídio federal de segurança máxima, quando um grupo armado disparou contra o prédio, a ida de Beira-Mar poderá se consumar.

Segundo ele, não existe mais motivo para manter Beira-Mar fora de seu estado de origem. Foi esse o entendimento da juíza Cristina de Araújo Góes Lajchter, da Vara de Execuções Penais fluminense, quando determinou o retorno do traficante ao Rio caso, no prazo estabelecido, se o MPE não conseguisse provar que o traficante continua participando da atividade criminosa e que por isso sua transferência representaria perigo ao Rio.

O MPE argumenta que Beira-Mar não só tem envolvimento como continua a chefiar uma organização criminosa, mesmo de dentro do presídio federal de Campo Grande, onde está desde julho do ano passado. Um dos indicativos apontados pelo MP é que, no mês passado, o traficante teve nova condenação pelos crimes de associação para o tráfico, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, com penas que somam 16 anos e dois meses de prisão.

A juíza Cristina Lajchter justificou a determinação de retorno do traficante ao Rio dizendo a cidade tem estabelecimento prisional de segurança máxima, como é o caso de Bangu I, próprio para presos com idêntico perfil e elevada periculosidade.

Beira-Mar já esteve preso no presídio de Bangu I, passou por Brasília (DF), Maceió (AL), e Presidente Bernardes (SP). Sua última estada antes de Campo Grande foi o presídio federal de Catanduvas, em Santa Catarina.

O traficante deveria permanecer em Mato Grosso do Sul no máximo até julho deste ano, porque existe uma regra que estabelece prazo de um ano de permanência em unidades prisionais federais.
STF tem maioria a favor de delação negociada pela Polícia Federal
O Supremo Tribunal Federal (STF) formou hoje (13) maioria para manter a autorização legal para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações pre...
UFGD oferece vagas em 36 cursos de graduação pelo Sisu
A UFGD (Universidade da Grande Dourados) está ofertando 944 vagas em 36 cursos de graduação para o Sisu (Sistema de Seleção Unificada). As inscrições...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions