A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

16/02/2012 17:25

Nas ruas, casamento entre pessoas do mesmo sexo divide opiniões

Nadyenka Castro

A declaração de união estável homoafetiva já é permitida. Agora, a OAB/MS quer que seja autorizado o registro civil em cartório

A declaração de união estável homoafetiva pode ser feita em cartórios de Mato Grosso do Sul desde junho de 2010. Agora, a OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, subseção de Mato Grosso do Sul) quer que seja permitido também o casamento entre pessoas do mesmo sexo, em cartório. Nas ruas da Capital do Estado, o assunto divide opiniões.

A presidente da Comissão da Diversidade Sexual da OAB, advogada Priscila Reino, explica que o objetivo é “garantir a igualdade”. “A orientação sexual não pode servir para a desigualdade”, fala.

E é lembrando dos direitos iguais que as amigas Mayara Nascimento, 21 anos, e Ilma Urtado, 19 anos, justificam o que pensam a respeito do assunto. “Os direitos têm que ser iguais para todos”, fala Ilma, com aprovação de Mayara.

Atendente de farmácia, uma jovem de 24 anos que preferiu não se identificar é contra o relacionamento amoroso entre pessoas do mesmo sexo, mas, considera positiva a opção do casamento. “Sou contra, mas já que existe [homossexualismo] acho interessante o casamento”.

Namorados há pouco mais de um mês, um casal de estudantes de 19 anos divide a mesma opinião. “Eles também têm o direito de casar, como todos nós”, declaram.

Enquanto os mais jovens aprovam o casamento homossexual, a opinião dos mais velhos é contra. “Sou tremendamente contra. Isso é contra as leis de Deus”, fala o tapeceiro aposentado Benedito Faria, 67 anos.

Mãe de dois filhos, a chacreira de 53 anos que não quis se identificar, também não aprova. “Eu sou muito antiga. Sou do tempo que mulher gostava de beijar na boca de homem”, declara. “O pai cria filho para constituir família. Homem com homem não dá filho. Mulher com mulher não dá filho”, justifica.

Casamento X união estável- A advogada Priscila Reino explica que o casamento traz mais direitos aos parceiros do que a união estável. “Por exemplo, na união estável o companheiro não é o herdeiro necessário”. De acordo com ela, “o cônjuge é o terceiro na ordem [de herança] e o companheiro o quarto”. “O casamento é mais que a união estável”.

A advogada lembra ainda que a permissão para os cartórios fazerem o casamento não quer dizer que todos os casais homossexuais irão se casar. “Não significa que todos vão casar. Alguns não vão querer, assim como acontece com os héteros. O que a gente quer é que eles tenham direito de casar ou não”.

Na prática - O escrevente Cícero Martins Castro conta que muitos casais foram ao cartório para fazer a declaração de união estável homoafetiva logo que o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) autorizou a lavratura da escritura - em junho de 2010-, mas, depois, a procura reduziu. “No começo, quase todo dia tinha procura. Agora, raramente aparece. As vezes, fica um mês sem ninguém”.

Segundo ele, a formalização do relacionamento homossexual normalmente é feita para inserção do companheiro em benefícios como pensão e plano de saúde. Para fazer a declaração, basta apenas a presença dos requerentes com documentos pessoais e pagamento de aproximadamente R$ 120, referente a taxa e cópias. No caso de uma das partes ser analfabeta, é preciso três testemunhas.

Já para o casamento, além das duas pessoas e documentos, é preciso também duas testemunhas no local. “Aí o cartório encaminha a habilitação para o Ministério Público Estadual e publica o edital”, diz. Conforme Cícero, a declaração de união estável é uma escritura assim como uma procuração, por exemplo. Já o casamento é registro civil. “O registro civil é a certidão de nascimento; de casamento e de óbito”.

Ambos documentos têm a mesma validade e garantem direitos aos envolvidos. O casamento tem que ser assinado por um juiz de Direito.

Comissão da OAB pede que TJ regulamente casamento gay em MS
Com base em uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) do ano passado, a Comissão da Diversidade Sexual da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), se...
Termina na 4ª feira prazo para adotar cartinha e ajudar Papai Noel dos Correios
Termina na próxima quarta-feira (dia 13) o prazo para quem quiser adotar uma cartinha do projeto Papai Noel dos Correios. Os interessados devem compa...


A maioria de meus amigos gays tem fama de serem os mais dedicados a família, são aqueles que cuidam das mães e pais, são os acompanham a educação dos sobrinhos e sobrinhas... enfim. É maravilhoso ver que muitas famílias, que pregam o amor de verdade, estão respeitando, mesmo sem entender, a orientação sexual de seus filhos. Viva o progresso na Justiça brasileira.
 
Elânio Rodrigues em 17/02/2012 11:15:06
Se DEUS aceitasse esse absurdo não teria criado Adão e Eva, teria criado ADÃO E IVO. O pior é criar leis que obrigam a sociedade a aceitar essas aberrações de comportamento que denigrem a familia, que é a base de uma sociedade honrada e digna. Quero ver se a especie humana se perpetue se deixar de existir homem e mulher, quero ver se de dois homens ou de duas mulheres nasce alguma criatura....
 
Horlando P. de Mattos em 16/02/2012 10:02:42
União entre homens ou união entre mulheres... bem, creio que os que não concordem com isto, devem ensinar seus filhos a forma correta de união entre duas pessoas, a união homem-mulher. Não adianta apenas se indignar, a conversa deve ocorrer dentro do lar, no seio de cada família. É inútil lutar contra algo que é amplamente divulgado pela mídia: novelas principalmente. Faça sua parte. Ensine.
 
Moisés Oliveira de Araújo em 16/02/2012 09:27:01
Mal, Senhor Pedro Braga, é condenar o próximo como se procuração de Deus tivesse.
Cada pessoa responde por si, por favor, dentro daquilo que acredita.
Mais humildade. Mais interesse na PRÓPRIA VIDA. Mais AMOR ao próximo. Menos alienação.
Pecado por pecado, a soberba também é condenada e ninguém parece ver isso.
Além do que, DE NOVO, fala-se de DIREITOS e não de fé, ora, diacho.
 
Madalena Sortioli em 16/02/2012 07:06:09
Se fosse assim DEUS nao teria feito homem e mulher faria so Adao ou so faria Eva, estao brincando com a lei de DEUS.
 
JUNIOR SANTOS em 16/02/2012 06:47:18
Ainda bem que o Estado é Laico e sua moral sincrética não tem valor dentro deste. Claramente a ignorância é a base do preconceito, baixa escolaridade, pouca educação e muito menos intelecto.
 
Rafael Yoshio Nagao em 16/02/2012 06:46:54
acho um absurdo eu q sou evangelico tenho conhecimento da palavra acho q c DEUS fez o homen e mulher acabou cada um tem q ser o que Deus fez nao tem essa de pessoas com o mesmo sexo isso e imoral
 
edenildo da silva em 16/02/2012 06:46:28
SÓ ESTA CONCORDANDO, COM A UNIÃO DO MESMO SEXO, PESSOAS QUE DESCONHECE A PALAVRA DO SENHOR A BÍBLIA, LEI DAS LEIS, LEI MÁXIMA DO MUNDO, ONDE EM LEVÍTICO CAP. 18, VS. 1 AO 30, EM ESPECIAL AO 22, QUE ABOMINÁVEL AO SENHOR, E QUE TUDO O DEUS REPROVA É PECADO, CONHEÇAS OS PECADOS, E SE LIVRE DO AMANHÃ, LEIA, PROCURE ENTENDER A BÍBLIA, QUE ELA TE ENCAMINHARÁ PARA O BEM, NÃO PARA O MAL, E ISSO É MAL,CUID
 
PEDRO BRAGA em 16/02/2012 06:24:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions