A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Setembro de 2017

30/08/2017 08:10

Rota Bioceânica: ponte sobre o Rio Paraguai terá 500 metros de extensão

Sílvio Andrade, de Jujuy, na Argentina
Rota Bioceânica: ponte sobre o Rio Paraguai terá 500 metros de extensão
Parte da comitiva atravessando o deserto do Atacama (Foto: Paulo Cruz)Parte da comitiva atravessando o deserto do Atacama (Foto: Paulo Cruz)

A ponte de concreto sobre o Rio Paraguai, entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta (Paraguai), obra essencial para viabilizar o corredor bioceânico até os portos ao norte do Chile, na costa do Pacífico, terá 500 metros de cumprimento e sua execução pelo governo brasileiro depende de aprovação pelo Congresso Nacional. O ministro João Carlos Parkinson de Castro, das Relações Exteriores, garantiu que a obra da ponte “é um fato consumado”.

Segundo o secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, integrante da comitiva de empresários que há cinco dias percorre a rota que ligará Mato Grosso do Sul ao Paraguai, Argentina e Chile, a ponte será edificada em uma área situada 6 km acima do porto de Murtinho, em frente de Carmelo Peralta.

Optou-se por um local de menor extensão do canal do rio para reduzir custos. O valor da obra foi estimado em R$ 270 milhões.

Comitiva em Salta - O compromisso do governo federal em fazer a ligação rodo-fluvial para transpor as cargas pelo Rio Paraguai e a garantia do Paraguai de pavimentar mais de 600 km do corredor bioceânico, gera uma expectativa entre argentinos e chilenos, que surpreendeu os empresários que participam da caravana do Rila (Rota de Integracao Latino Americana). As autoridades destes países querem participar da mobilização que conta com o apoio do Governo de Mato Grosso do Sul.

A longa e cansativa viagem em 25 caminhonetes por cerca de 6 mil km, entre Porto Murtinho e Antofagasta (Chile), realizada desde o dia 25 por empresários e representantes dos países vizinhos e do Governo do Estado, estão sendo superados pela festiva receptividade em cada região visitada. Nesta terça-feira, a comitiva deixou o Chile depois de visitar os portos de Antofagasta e também de Iquiqui e Mejilliones, que opera com alta tecnologia e eficiência.

Caminhões atravessando a cordilheira (Foto: Sílvio Andrade)Caminhões atravessando a cordilheira (Foto: Sílvio Andrade)

Estrutura portuária - Antofogasta, cidade de 400 mil habitantes, foi a penúltima área portuária chilena visitada pela comitiva antes do retorno a Mato Grosso do Sul. O grupo deixou a cidade logo pela manhã em direção a Mijilliones, com a finalidade de avaliar qual a melhor estrutura portuária para receber os produtores que sairão do Estado com destino a Europa e Ásia. A visita ao porto de Iquiqui ocorreu na segunda-feira (28). As três cidades disputam as cargas brasileiras.

O interesse despertado nas regiões estratégicas surpreendeu o presidente do Setlog (Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logìstica do Estado), Cláudio Cavol. Ele recebeu pedido para um grande evento na cidade argentina de Jujuy, para esta quarta-feira (30), mas a agenda deste dia está consumada: a caravana desce para Salta, no mesmo país, para participar de uma reunião técnica com o governador da província, Juan Urtubey, e empresários locais, no final do dia.

Empresários do RILA reunidos em restaurante na cidade Argentina de Jujuy (Foto: Sílvio Andrade)Empresários do RILA reunidos em restaurante na cidade Argentina de Jujuy (Foto: Sílvio Andrade)

Apoio dos países - O retorno da caravana, após chegar aos portos chilenos, permitiu a passagem, mais uma vez, pelo deserto de Atacama e as cordilheiras do Chile e Argentina. Até Atacama, são 308 km, passando por Calama, e mais 160 km para chegar â fronteira chilena com a Argentina, na localidade do Passo Jama. Fazia muito calor, mesmo nas cordilheiras, onde a temperatura média era de 18ºC, a uma altura de 4,8 mil metros de altitude.

A viabilização da rota da integração depende, além das obras de infraestrutura, da efetiva participação dos países que integram o bloco. O interesse dos empresários e dos governos do Paraguai, Argentina e Chile pela alternativa de transporte rodoviário ficou patente.

Desde a fronteira de Porto Murtinho com o Paraguai a costa do Chile, a polícia nacional destes países deram apoio â comitiva, patrulhando o comboio e desburocratizando trâmites migratórios.

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions