A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

22/11/2012 10:47

Só este ano, três pessoas ligadas a jornais foram executadas em MS

Paula Maciulevicius
Com a morte de ontem, são três jornalistas executados neste ano no Estado. (Foto: Nyelder Rodrigues)Com a morte de ontem, são três jornalistas executados neste ano no Estado. (Foto: Nyelder Rodrigues)

Paulo Rocaro, 51 anos, Luiz Henrique Rodrigues Georges, 44, e Eduardo Carvalho, 51. Com a execução de ontem, de Eduardo Carvalho, são três pessoas ligadas a jornais executados neste ano em Mato Grosso do Sul.

Em todos os casos a investigação da Polícia segue a linha de que o motivo do crime foi a atuação deles nos veículos. 

A vítima de ontem era policial militar aposentado e dono do jornal eletrônico UHNews. Por se sentir ameaçado, desde novembro do ano passado ele tinha um colete a prova de balas, no entanto, não estava usando quando foi executado, na noite desta quarta-feira, no bairro Giocondo Orsi, em frente a casa onde morava.

Carvalho já tinha sofrido atentado anteriormente, há dois anos, quando estava no carro com a filha. Para a Polícia, o fato de ele comandar um jornal que costumava publicar matérias polêmicas e criar inimigos faz com que as investigações sigam por este caminho.

Os dois primeiros casos deste ano tiveram como cenário, a região de fronteira e uma distância de 100m entre um e outro e o intervalo de oito meses.

Paulo Rocaro foi morto em uma emboscada no centro de Ponta Porã, em fevereiro. (Foto: Arquivo Pessoal)Paulo Rocaro foi morto em uma emboscada no centro de Ponta Porã, em fevereiro. (Foto: Arquivo Pessoal)

Paulo Rocaro foi baleado na noite de 12 de fevereiro por uma dupla de motocicleta. Ele conduzia um Fiat Idea e sofreu a emboscada na avenida Brasil, em Ponta Porã. Rocardo era editor do Jornal da Praça e retornava da casa do ex-prefeito de Ponta Porã, Vagner Piantoni (PT), de quem era amigo. Os disparos foram feitos com os dois veículos em movimento. A moto não tinha placas e a dupla usava capacete.

No corpo de Rocaro foram encontradas nove perfurações de pistola 9mm, arma de uso restrito das Forças Armadas, mas facilmente encontrada do outro lado da fronteira.

Ele chegou a ser socorrido, mas morreu na madrugada do dia seguinte.

A investigação descartou que o assassinato tenha sido passional ou por dívidas, reforçando a tese de que a morte estava mesmo era relacionada ao trabalho da vítima como jornalista.

Com experiência também na Polícia Militar, o jornalista era editor-chefe do Jornal da Praça e diretor do site Mercosul News. Em 2002, publicou o livro “A Tempestade – Quando o crime assume a lei para manter a ordem”. A obra fala de pistolagem e da conivência policial num território dominado pelo tráfico.

Oito meses depois, o alvo da pistolagem foi o dono do Jornal da Praça, Luiz Henrique Rodrigues Georges, 44 anos, conhecido por Tulu. O veículo que ele dirigia, uma Pajero, foi metralhado com 20 tiros de fuzil, também em Ponta Porã.

Dono do Jornal da Praça foi executado a tiros de fuzil em outubro.  (Foto: Tião Prado, do Conesul News)Dono do Jornal da Praça foi executado a tiros de fuzil em outubro. (Foto: Tião Prado, do Conesul News)

Tulu, como era conhecido, foi atingido por três tiros, um na cabeça e dois no tórax. Outras duas pessoas estavam no carro. Apenas um sobreviveu ao atentado.

Outros casos- O histórico de pessoas ligadas à imprensa executadas em Mato Grosso do Sul vai além. Em 2003, um dos donos do jornal Boca do Povo, Edgar Ribeiro Pereira de Oliveira, de 43 anos, foi assassinado no bairro Monte Castelo.

De dentro da Blazer que dirigia, ele foi atingido por vários disparos de pistola calibre 765 e morreu no local do crime, quando passava pela Rua Dolor de Andrade. Os tiros vieram do passageiro de um Fiat vermelho.

Um dos crimes mais recordados foi a execução de Edgar Lopes de Faria. Conhecido como ‘Escaramuça’, ele foi morto em 1997, aos 48 anos, quando saía da padaria onde costumava tomar o café da manhã, a seis quadras de casa, no bairro São Francisco.

Quando retornava ao carro, se virou para alguém que o chamou pelo nome e levou o primeiro tiro na axila. O pistoleiro foi caminhando até o jornalista e disparou mais cinco vezes com uma arma calibre 12, outro homem na esquina, com uma pistola 765, fez mais dois disparos. Escaramuça morreu no local.

A motivação era a divulgação de informações da participação de policiais de Dourados em grupos de extermínio; corrupção de políticos e policiais.

 



nunca mais saberemos das entrelinhas, agora só o captainbado, adeus carvalinho que deus o tenha.
 
daniel duraes em 22/11/2012 22:20:51
O Sr. Jacini tomará providências.
 
Áttila Gomes em 22/11/2012 16:43:29
Que absurdo! Numa democracia jornalistas serem perseguidos desta maneira. Espero que a autoridades locais tomem atitudes para coibir estas ocorrências. Medo de falar? É isso que estamos vivendo? Se há algo ou alguém que nao pode e nao deve ter medo de falar é o jornalista, com independência e neutralidade. Cadê o sindicato? Espero que ao menos os veículos de imprensa e jornalistas se unam, pois nao se pode aceitar viver numa profissao onde nao se sabe quem será a próxima vítima. Nós, JORNALISTAS, não podemos aceitar!
 
Leo Stfanello em 22/11/2012 13:07:09
ta na hora da POLICIA FEDERAL entrar nesta parada pois corre o risco de voltarmos na época do coronelismo...a imprensa só pode falar o que interessa aos poderosos..a sociedade não pode permitir este tipo de situação. a O.A.B. tem que agir e cobrar rigor nas apurações deste caso. ja são tres assasinatos no estado,ta virando moda .
 
Haroldo José F. Nogueira em 22/11/2012 11:38:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions