A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

18/04/2016 12:02

Após polêmica, medida suspende redução da velocidade da internet

Renata Volpe Haddad

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) publicou medida cautelar nesta segunda-feira (18) em que recomenda que as operadoras não limitem a internet e nem façam cobranças excedentes no uso da banda larga fixa. Porém, caso as prestadoras de serviços queiram estabelecer a limitação, é preciso que cumpram quatro requisitos que exigem que os consumidores sejam informados e possam consultar o consumo da internet.

Caso as operadoras descumpram com a medida, serão punidas com multa diária de R$ 150 mil, até o limite de R$ 10 milhões.

O Procon e o Ibedec (Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo) se posicionaram contra a medida, que é considerada abusiva. Na prática, as operadoras querem adotar no serviço de banda larga fixa, o que já acontece com o uso de dados dos celulares: interromper o serviço de internet quando o consumo atingir um limite.

De acordo com a diretora do instituto, Bárbara Grassi, o problema surgiu por que os consumidores deixam de contratar os canais oferecidos pelas empresas e contratam o Netflix ou assistem pelo Youtube.

"O consumidor prefere pagar R$ 20 pelo Netflix do que R$ 300 pelos canais oferecidos pelas operadoras, ou até mesmo, optam pelo Youtube e isso aumenta muito o tráfego de internet, por isso querem definir o limite", afirma.

Segundo a diretora, a Vivo comunicou na sexta-feira (15) esta decisão. Bárbara alega ainda que o contrato de 99% dos consumidores que têm banda larga, é de uso e não de limite.

"A partir de agora, pode ser que os contratos mudem, mas quem tem banda larga, não tem contrato limitado. O Idec já entrou com uma ação para coibir essa medida, mas se não surtir efeito, o Ibedec vai tomar uma medida", afirma.

Consumidor - A superintendente do Procon/MS, Rosimeire Cecília da Costa, alerta para que os consumidores não aceitem que a internet seja interrompida. "Essa é uma prática abusiva e o consumidor precisa ficar atento e não aceitar a limitação de uso da internet, pois a operadora não pode modificar uniliteralmente o contrato", explica.

Na semana passada, os Procons de todo o País se reuniram com a secretária nacional em Brasília para discutir o assunto. Segundo Rosimeire, uma reunião foi marcada com todas as operadores que vendem banda larga fixa.

"Muitas coisas precisam ser analisadas, entre ela é a medição de velocidade, pois o consumidor paga por 15 megas mas nunca recebe essa velocidade e não tem como medir isso", afirma

Direito do Consumidor é tema de Congresso que começa amanhã
Campo Grande recebe, a partir de amanhã, o XIV Congresso Nacional do Ministério Público do Consumidor, que durante três dias vai debater sobre os "Se...
Conta de luz terá bandeira tarifária mais cara em junho
As contas de luz em junho terão bandeira tarifária vermelha no patamar 2, o maior patamar entre as faixas tarifárias. Com isso, haverá cobrança extra...


O problema que a vivo comprou a GVT e por sinal nós os clientes mais antigos acabamos refém desta empresa, e a vdd que em determinadas regiões de Campo Grande não há opções de serviços banda larga, e mais uma vez quem se lasca é o contribuinte...
 
Patrícia Colman em 19/04/2016 22:17:12
Basta todo mundo que tem VIVO cancelar e nunca mais ninguém ficar na Vivo. A 1 empresa que falir por causa da repulsa das pessoas vai deixar as outras bem espertas.
 
QueroIrEmbora em 19/04/2016 08:00:04
E com quem podemos tirar duvidas sobre isso, se ja ligamos em nossa operadora?
 
Jhack Edu em 18/04/2016 21:14:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions