ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 24º

Economia

Com lei em vigor há uma semana, poucos postos reduziram o preço do óleo diesel

Renata Volpe Haddad | 08/07/2015 17:32
Representantes e deputados se reuniram na tarde de hoje para poderem acompanhar preços e consumo do óleo diesel no Estado. (Foto: Fernando Antunes)
Representantes e deputados se reuniram na tarde de hoje para poderem acompanhar preços e consumo do óleo diesel no Estado. (Foto: Fernando Antunes)

Uma semana após a redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) no preço do óleo diesel, poucos postos de combustíveis em Mato Grosso do Sul abaixaram o preço. Alguns estabelecimentos reduziram o valor no mesmo dia em que a medida foi definida, outros alegam que esperam acabar o estoque do combustível comprado no preço antigo.

Durante reunião da Comissão de Representação da Assembleia Legislativa responsável por acompanhar a variação do preço do diesel no Estado, realizada na tarde hoje, o deputado estadual Paulo Corrêa (PR), nomeado presidente da Comissão, afirmou que em alguns postos de Três Lagoas, distante 338 km de Campo Grande, estavam vendendo o litro por R$ 2,50. "Também soube que em dois postos de Dourados, o litro está saindo por R$ 2,79, além de alguns lugares em Campo Grande que estão com preços de R$ 2,85", comentou.

O assessor técnico da Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul), Edson Lazaroto, que esteve presente na reunião, disse que os valores de alguns postos em Três Lagoas deve-se ao fato da competitividade entre distribuidoras. "Estamos monitorando e vimos que 50% do comércio do Estado reduziu e com a nova compra do combustível, todos estarão mais baratos. Vamos fiscalizar quinzenalmente os preços e a galonagem", informou.

A Secretaria de Fazenda do Estado tem a previsão do aumento de consumo de 40% a 45% em seis meses, para poder compensar a redução de desoneração tributária. "Com essa medida, o Estado perde R$ 20 milhões por mês. Neste momento de crise que o Brasil vive, essa redução foi uma atitude corajosa do governador. Com o preço antigo, eram consumidos 125 milhões de litros por mês e para que compense a perda de receita, o consumo tem que aumentar 45%", explicou o secretário adjunto de fazenda, Jader Julianelli.

Para o presidente da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, o consumidor que é o principal beneficiário precisa cobrar a redução de R$ 0,15 no preço do óleo diesel. "Os fiscais precisam ser os consumidores, se chegarem para abastecer e ver que não reduziu o valor, eles têm que cobrar", afirmou.

O trabalho que a Comissão vai fazer é o acompanhamento dos preços nos postos de todo o Estado e vão se reunir a cada 15 dias para poder avaliar como está o consumo e a procura. "Temos que criar um plano de trabalho de acompanhamento permanente, pois em 31 de dezembro de 2015 a alíquota sobe novamente para os 17% e em janeiro, vamos fazer uma avaliação para saber se valeu a pena tomar essa medida", comentou Longen.

A Comissão volta a se reunir no dia 5 de agosto, pois darão o prazo de um mês para fazer os levantamentos dos postos dos 79 municípios. "Vamos dar esse prazo já que é recente a redução da alíquota e queremos avaliar se realmente o consumo do diesel está aumentando", definiu o deputado estadual, Paulo Corrêa.

Nos siga no Google Notícias