A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

27/11/2012 10:09

Despesas de planos de saúde devem aumentar 35% em 2030, indica estudo

Flávia Albuquerque, da Agência Brasil

Os gastos do setor de saúde suplementar no país devem aumentar 35% em 2030, na comparação com 2010, e passar de R$ 59 bilhões para R$ 80 bilhões. O motivo da alta é o crescimento do número de beneficiários de planos de saúde, em especial os idosos. A estimativa faz parte de um estudo feito pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess), apresentado hoje (27) durante o seminário internacional “Projeções do custo do envelhecimento no Brasil”, na capital paulista.

As estimativas foram projetadas com base em dois cenários considerando o “efeito demográfico puro” (sem aplicar indicador inflacionário) e levando em conta que os idosos têm mais consultas do que bebês de até quatro anos e que o número de internações da população entre 60 e 69 anos é o dobro daquela com idade entre 40 e 49 ano.

No primeiro resultado, ao considerar a utilização de uma amostra de operadoras de planos individuais e a projetando para o conjunto de todo o mercado, concluiu-se que as despesas atingiriam R$ 83,1 bilhões em 2030 e, em 2050, saltariam para R$ 104,7 bilhões. No segundo cenário, o Iess considerou uma amostragem de operadoras de autogestão. A estimativa atingiu patamares ainda mais elevados e foi de R$ 87,6 bilhões em 2030 para R$ 117,5 bilhões, em 2050.

De acordo com o superintendente executivo do Iess, Luiz Augusto Carneiro, o envelhecimento da população não é ruim para o mercado da saúde suplementar, desde que haja equilíbrio financeiro entre os gastos e as receitas das operadoras. “Enxergamos uma grande oportunidade, mas que pode se tornar um risco. O problema não está em envelhecer, mas em não haver equilíbrio entre o valor cobrado e as despesas da área”, disse.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tinha em 2010 190,8 milhões de habitantes dos quais 11% com idade a partir de 60 anos. Para 2030, a estimativa do IBGE é que os idosos somem19% da população de 216,4 milhões. O estudo do IESS, portanto, analisa o momento posterior ao chamado “bônus demográfico”, período em que a parcela da população em idade ativa é maior do que a da população dependente.

De acordo com os dados do instituto, a previsão é que o bônus demográfico termine entre 2020 e 2025, como resultado do crescimento mais acelerado da população idosa. O total de beneficiários de planos de saúde poderá crescer de 44 milhões de pessoas, em 2010, para 51 milhões, em 2030, se a atual “taxa de cobertura” (participação de beneficiários no total da população), que gira em torno de 20%, for mantida.

Os limites do “desculpe, seu score está baixo”
Imagine a seguinte situação. Você está navegando em uma grande loja de comércio eletrônico e escolhe um novo celular para compra. Na hora do pagament...
Confaz aprova incentivos fiscais concedidos pelo Governo de MS
O Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) aprovou a convalidação de todos os incentivos fiscais concedidos pelo Governo do Estado em Mato G...
Consumidor terá 30 dias para contratar serviço de esgoto antes de ser multado
Será apresentado às 9h de segunda-feira (18) um termo de parceria entre o Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions