ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 25º

Economia

Em Mato Grosso do Sul mais de 266 mil pessoas passam fome, aponta pesquisa

Conforme levantamento, 20,54% dos moradores do Estado não tem acesso à alimentação regular

Karine Alencar | 14/09/2022 09:46
Moradora da Cidade de Deus mostrando as panelas de comida quase vazias (Foto: Marcos Maluf)
Moradora da Cidade de Deus mostrando as panelas de comida quase vazias (Foto: Marcos Maluf)

Em Mato Grosso do Sul, 266, 8 mil pessoas passam fome, revela uma pesquisa do Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), divulgada nesta quarta-feira (14).

Conforme o levantamento, 20,54% dos moradores do Estado sofrem para ter acesso à alimentação, em situação considerada moderada, quando há pouca quantidade de comida na mesa. Enquanto 9,4 % estão em circunstâncias graves por falta de alimentos.

O relatório aponta que 35,04% sofrem com a insegurança alimentar leve, ocasião em que a família enfrenta incerteza ao acesso de alimentação adequada, de forma regular e com todas os nutrientes recomendado.

Somente 35% possuem segurança alimentar, quadro em que conseguem realizar três refeições diárias.

Dos estados do centro-oeste, Mato Grosso registrou 36,8% de famílias com segurança alimentar, Goiás surge com 45,2 pontos percentuais e Distrito Federal com 38,5%. Mato Grosso do Sul está em um dos menores índices de pessoas passando fome em todo Brasil.

Em âmbito nacional, o título de maior número de famílias sem comida no prato ficou na região do Norte e Nordeste. Alagoas foi o estado em que os casos de insegurança alimentar grave são mais frequentes, atingindo 36,7% das residências pesquisadas.

Considerando toda a população em insegurança alimentar (leve, moderada ou grave), São Paulo também lidera, com 26 milhões, seguido por Minas Gerais, com 11,2 milhões.

O estudo também revelou que, no País, a fome atinge 1 a cada 3 casas brasileiras com crianças de até dez anos,

A coleta de dados ocorreu entre novembro de 2021 e abril de 2022, com entrevistas em 12.745 domicílios, em áreas urbanas e rurais de 577 municípios, distribuídos nos 26 estados e no Distrito Federal.

Foi utilizada a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia), também adotada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Nos siga no Google Notícias